WEC chegou na sua capacidade máxima de participantes

Capacidade máxima. (Foto:WEC)

Com a confirmação de inscritos para o Mundial de Endurance e IMSA, a diferença de carros em cada série. Enquanto 61 carros são esperados para as 24 Horas de Daytona, 38 estão confirmados no WEC. Mesmo que o Mundial aconteça em diversos países, enquanto a IMSA é realizada nos EUA, a diferença chama a atenção.

O CEO do WEC, Frederic Lequien, em entrevista durante o lançamento dos inscritos, disse que 39 carros é o máximo comportado pelo Mundial, por questões logísticas, e descarta inscrições isoladas. 

Por regulamento, as equipes devem participar de todas as provas. Equipes realizaram participações esporádicas no passado, o que não é mais permitido. No ano passado, a Corvette Racing e G-Drive Racing – ambos agora participantes em tempo integral – e PR1/Mathiasen Motorsports se juntaram ao grid para as 6 Horas de Spa em preparação para as 24 Horas de Le Mans. Também houve participações  da Rinaldi Racing, Risi Competizione e Inception Racing em Monza pelo mesmo motivo.

A regra que afeta carros adicionais será apenas para o WEC, embora o espaço no grid também seja apertado em Le Mans, considerando que todas as entradas de temporada completa do campeonato são elegíveis.

“Para as 24 Horas de Le Mans a situação é bem diferente porque existe um comitê de seleção para as 24 Horas de Le Mans”, disse Lequien. “Temos 62 vagas, 39 para o WEC. Temos algumas entradas para ELMS e Asian Le Mans. Isso significa que temos um número muito pequeno de inscrições disponíveis no mercado e o comitê de seleção decidirá quem receberá essas inscrições. No WEC, confirmo que não aceitaremos inscrições adicionais corrida a corrida”. 

Com 39 carros, poderão ocorrer problemas na etapa de Fuji, onde o número de inscritos deve exceder o número de boxes disponíveis. Lequien reconheceu que o campeonato está avaliando medidas especiais para a corrida no Japão, incluindo a instalação de garagens temporárias. Outra opção é que carros da mesma equipe compartilhem um único box e equipamento de reabastecimento.

O WEC considerou a introdução de uma regra pela qual todas as equipes GTE-Am seriam obrigadas a entrar com dois carros e depois usar um único box e configuração de reabastecimento durante os fins de semana de corrida. No entanto, isso foi rejeitado por uma maioria de 80% quando colocado em votação das equipes.

“Fuji pode ser uma das rodadas mais complicadas da temporada com 39 carros”, disse Lequien. “Primeiro, gostaria de lembrar que temos 39 inscrições para a temporada, mas certamente não haverá 39 em pista ao mesmo tempo. Não somos loucos e foi realmente uma discussão interna muito séria com Pierre Fillon, os caras ao meu redor e todas as equipes”. 

“Seria tão simples aceitar todo mundo. Mas não é bom para um campeonato mundial da FIA. Então 39 é razoável. Mesmo em Fuji discutimos com algumas equipes nas categorias GTE e LMP2 que eles podem ter que compartilhar uma garagem, talvez em certas pistas, mas vamos gerenciar isso de uma maneira muito boa”. 

“Não vamos destruir algo apenas para conseguir mais entradas. Trinta e nove correspondem ao máximo que podemos fazer com uma logística ainda muito boa. Mais do que isso é impossível. A propósito, não aceitaremos alguns carros apenas para uma corrida, inscrições adicionais para uma corrida. Não conseguimos fazer isso.”

O número de inscrições recebidas pelo comitê de seleção do WEC foi maior do que a série comporta. Lequien não revelou quantos “sobraram”.  “Em total transparência, não é um trabalho fácil”, disse ele. “Sem soar arrogante, eu diria que é um bom problema. Tomamos a decisão de selecionar 39 carros para manter uma quantidade razoável de inscrições em termos esportivos, logísticos e diversos fatores”. 

“Sim, recebemos muito mais de 39, mas decidimos não nos comunicar sobre isso”, finalizou.

Published
4 meses ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista MTb 6873/SC, formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mantem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.