Porsche realiza revisão em seus carros para a final do WEC

(Foto: Porsche)

Com a dobradinha na classe GTE-Pro na penúltima etapa do Mundial de Endurance, a Porsche está se preparando para buscar mais uma vitória , nas 8 Horas do Bahrein, que acontecerá no dia 6 de novembro. 

Após sete dias, os dois 911 RSR agora devem enfrentar o próximo desafio. Kévin Estre e Neel Jani conseguiram superar Gianmaria Bruni e Richard Lietz no último sábado. Neste sábado, 6 de novembro, a corrida final  a Porsche lutará pelos títulos dos campeonatos de fabricantes e pilotos. Para atingir esse objetivo, os dois carros foram totalmente desmontados e revisados.

No domingo de manhã, às 9h30, as portas da garagem do Porsche GT Team abrem. Dentro da oficina estão os dois 911 RSR, com traços inconfundíveis da corrida exaustiva do dia anterior. O corpo é coberto por listras pretas deixadas por pedaços de borracha. No lado esquerdo do carro #92, uma faixa vermelha sinaliza um encontro próximo com outro veículo. Às 10h, após uma rápida reunião da equipe, os pilotos da equipe de operações da Manthey começa o trabalho de restauração dos dois carros. “A desmontagem da carroceria, suspensão e todo o trem de força leva cerca de 40 minutos. Tudo o que resta no carro é o tanque de combustível, a eletrônica e todos os componentes do interior”,  descreve Tobias Hansonis, chefe de equipe da equipe Porsche GT. “Todas as peças são limpas e passam por uma inspeção visual.”

Se algum dano for descoberto durante o processo, os especialistas são chamados. Bem no fundo da garagem, Ulrich Pashaus espera em duas grandes mesas de trabalho. “Caso surjam defeitos, temos que decidir se devemos substituir completamente a peça ou repará-la”,  explica o especialista dos chamados componentes compostos. Bad Honnef, da Alemanha, acrescenta: “Temos material de carbono conosco. Eu misturo a resina e lamino novas camadas no componente danificado. O endurecimento da nova camada de carbono quase não leva tempo no clima do Bahrein. Se eu usar um secador de cabelo ou colocar os componentes no forno, a dureza desejada é alcançada em apenas duas horas”, explica.  Do seu local de trabalho, Pashaus certifica-se de que os dois Porsche 911 RSR estão de volta às suas condições originais.

A poucos metros está Kevin Panter. Ele é responsável pelos componentes de reposição. “Temos cerca de 5.000 peças de reposição diferentes conosco”, diz ele, enquanto olha para a vasta lista de unidades de montagem bem classificadas que podem ser encaixadas como kits completos. Toda a coleção foi transportada para o Bahrein em seis grandes contêineres. A maioria das peças sobressalentes vem em duplicidade; outros estão disponíveis em números maiores. “Vemos o maior desgaste na área das placas na frente do carro. Frequentemente, temos que substituí-los após apenas uma sessão de prática. Os saltos nas zebras ou mesmo os solavancos fortes deixam marcas distintas”, descreve Panter. Originalmente, as placas de deslizamento eram feitas de madeira, mas a versão atual é feita de um material de dois componentes. Ainda assim, o desgaste é inevitável.

O desmonte continua

Os carros são totalmente desmontados e revisados. (Foto: Divulgação)

Enquanto isso, nos boxes, os veículos foram desmontados: todas as partes da carroceria são removidas e arrumadas ordenadamente ao sol em frente aos boxes. Dois mecânicos se deitam sob o carro #91 e afrouxam os parafusos. Pouco depois, outros dois levantam o corpo em uma estrutura estável usando um sistema de tomada de ar. Todo o trem de força permanece em uma empilhadeira móvel e é puxado inteiro por baixo do carro. Um pouco depois, dois especialistas separam o motor da embreagem e da caixa de câmbio. Os conjuntos individuais são então meticulosamente verificados quanto a danos e desgaste. “Nossos componentes são projetados para durar 30 horas de funcionamento. Depois disso, geralmente realizamos um serviço. A caixa de câmbio passa por uma revisão após 60 horas”relata o especialista em caixas de câmbio Tobi Böller, que subiu ao pódio em nome da equipe na cerimônia dos vencedores no sábado passado. “Depois de uma corrida de seis horas, não deve haver nenhum defeito, mas ainda verificamos tudo cuidadosamente. Algo pode ter surgido aqui e ali que precisa ser consertado”.

É barulhento próximo ao departamento de transmissão. A batida constante soa como um navio a vapor em uma longa viagem: Juan Verpoorten tem sua bancada de teste para amortecedores funcionando. “Quando meu departamento recebe os amortecedores depois de uma corrida, eles geralmente são completamente pretos”, afirma. Os componentes da suspensão são cobertos com resíduos de borracha – ou a chamada “pickup”. “Eu os limpo os e os desmonto em suas partes individuais. Se não vejo nenhum dano, eu os remonto. Em seguida, os amortecedores são colocados na bancada de testes, que sempre temos conosco. Isso nos mostra se as características ainda são perfeitas. Caso contrário, é claro que trocamos o elemento. Trazemos três conjuntos de amortecedores para cada carro. E nós embalamos um conjunto adicional para os fins de semana consecutivos no Bahrein”. Os amortecedores do Porsche 911 RSR passam por um serviço completo após 30 horas de operação e, após 90 horas de trabalho, chegam ao fim de sua vida útil.

“Já sabemos antes das corridas propriamente ditas, quais peças estarão no final do tempo após o evento e precisarão ser substituídas. Estamos sempre preparados para isso”, explica o chefe dos mecânicos, Tobias Hansonis. Com base nessas listas de tempo de execução, os mecânicos trabalham por meio de um programa abrangente de manutenção do carro. Cinco especialistas são responsáveis ​​por cada carro, e outro mecânico está à disposição para outras tarefas. “Se tivermos uma corrida como no sábado passado, sem grandes incidentes ou manobras, a revisão dos veículos termina em pouco tempo. Obviamente, sempre ficamos satisfeitos quando isso acontece”, sorri Hansonis. O plano para o Bahrein: na terça-feira, os dois Porsche 911 RSR devem estar como novos na garagem do pit lane. O trabalho então começa na configuração antes dos carros voltarem para a pista na quinta-feira para a primeira sessão de treinos livres.

Written by Fernando Rhenius
Jornalista MTb 6873/SC, formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mantem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.