A torcida pelos fabricantes no endurance

Quantidade de fabricantes nas classes LMDh e Hypercar, trazem de volta a torcida pela marca. (Foto: Peugeot)

Uma das grandes sacadas da sinergia entre IMSA e ACO, foi a unificação dos protótipos LMDh e Hypercars. O primeiro será desenvolvido em cima de chassis homologados pela FIA/ACO (Oreca, Ligier, Dallara e Multimatic). Já modelos classificados como Hypercars, são desenvolvidos pelo fabricante do zero, chassi e tudo mais. 

A escolha será de cada fabricante que usará motores de combustão interna combinados a um trem de força híbrido de especificação. Cada protótipo LMDh também terá um estilo de carroceria específico do fabricante, como ocorre com os atuais DPi. 

O desafio da ACO e IMSA será conseguir equalizar os níveis de potência de ambos os modelos. Como os protótipos poderão competir nos EUA e Europa, o desafio será grande.  

Com o anúncio dessa “unificação”, diversos fabricantes já confirmaram seus projetos para os próximos anos. Ferrari, Porsche, BMW, Cadillac, Acura, Peugeot, Toyota e Glickenhaus já estão com seus programas em desenvolvimento. 

É sabido que no automobilismo a marca, principalmente no endurance, é muito mais valorizada do que o próprio piloto, diferente do que ocorre em monopostos como na Fórmula 1. Essa torcida pela marca é um dos objetivos tanto do Mundial de Endurance quanto no IMSA. 

Mundial de Marcas moderno

Exemplos não faltam nos lados do atlântico. A Itália sempre teve uma paixão fervorosa pela Ferrari, assim como a Corvette é reverenciada nos EUA. Esse espírito está retornando.

“Quando você vai a uma corrida da IMSA, os fãs se penduram em cima do muro com uma camiseta que representa a marca”, disse Mike Hull, diretor administrativo da Chip Ganassi Racing, que disputa o 1º lugar no V Performance Academy Cadillac DPi-VR em o campeonato IMSA WeatherTech SportsCar. “Você tem pilotos de carros de corrida de classe mundial que apenas dirigem um Cadillac. … Isso é o que há de tão especial nesta série.”, explicou. 

Os fabricantes ao optarem pela plataforma LMDh, querem além da redução de custos, tornar mais fácil a introdução da marca em mercados emergentes. A expectativa é que os protótipos LMDh estejam competindo nos EUA em 2023. 

“É algo sobre o qual todos nós conversamos, mas por diferentes razões isso não aconteceu”, disse Tim Cindric, que supervisionará a transição da Equipe Penske para o LMDh com a Porsche. Isso foi interessante para todos. Parece que estamos no caminho certo”

Em termos práticos, a classe LMDh poderá se tornar mais popular que os Hypercars pela questão custo. Fabricantes americanos terão a oportunidade de explorar mercados antes inacessíveis, enquanto as europeias poderão avançar em terras americanas. O ápice de tudo isso é vencer uma das mais importantes do mundo, as 24 Horas de Le Mans. “Quando li sobre as 24 Horas de Le Mans, foi tudo sobre o Toyota que venceu a corrida”, disse Hull. “(O reconhecimento da marca) é exclusivo para corridas de carros esportivos e ainda mais agora para o fato de que haverá tantos fabricantes (no formato LMDh). Eu nem quero projetar quantos estarão nesta categoria. Sete, oito, nove, 10? Todos com pelo menos dois carros cada. Quem sabe? Se você adicionar várias entradas para ambos os continentes, é mais do que isso. É isso que é realmente legal”. 

“Você sabia que isso significava que as eficiências e a exposição que os fabricantes e equipes recebem aumentariam”, disse Cindric. “Torna-se mais uma abordagem global para corridas de carros esportivos, finalizou. 

A máxima: “Vença no domingo, venda na segunda”, nunca esteve tão em evidência. Basta escolher a marca.

Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mantem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.