Miguel Molina quer a classe GT3 no WEC

Modelos GTE com os dias contados? (Foto: Divulgação)

A classe GTE-Pro do Mundial de Endurance enfrenta um momento conturbado. Com apenas a Ferrari e Porsche competindo na temporada 2021, já que a Aston Martin decidiu focar em programas de cliente, uma pressão para que o ACO aceite a classe GT3 vem ganhando força.

Com a extinção da classe GTLM na IMSA, o lobby aumentou. Para 2022 a GTD-Pro toma o seu lugar, aceitando que fabricantes invistam em times de fábrica com modelos GT3. 

Para este ano são esperados 13 carros na GTE-Am do WEC. O piloto Miguel Molina que competirá pela AF Corse na GTE-Pro no Mundial de Endurance afirma que os modelos GT3 são “a direção a seguir”, um caminho natural. 

 “Acho que eles farão mais ou menos o mesmo [que a IMSA]”, disse Molina ao Motorsport.com. “Mas a questão é se o WEC pode lidar com um grid tão grande com todas as marcas com programas GT3 que estariam interessadas”. 

“São tantas marcas e tão pouco espaço, e se houver opções para disputar o WEC, todos vão querer correr pelo menos um carro. Vai ser difícil, mas imagino que seja a direção a seguir”. 

“Mesmo assim, isso não aconteceria até o final de 2022 porque, pelo que eu sei, o projeto GTE está acordado e a atual homologação não terminará até o final de 2022. A Porsche lançou um novo carro no ano passado também”, explica.

WEC deveria seguir a IMSA 

Grid da GT World Clallenge em Paul Ricard. Muitos fabricantes. (Foto: Divulgação)

O piloto felicita a entidade americana por optar em profissionalizar os GT3. Os custos para as equipes serão menores se comparados a um GTE. 

“Acho que vai ser assim porque há muito mais marcas envolvidas e o carro é de alguma forma mais fácil de gerenciar, embora ainda seja complexo, a manutenção é diferente e o preço inicial do carro é mais baixo, explicou.

“Aconteceu também com o LMDh, que de alguma forma está tentando ajudar as marcas a conseguirem fazer projetos com o menor preço possível e isso é algo parecido, é a nova realidade do automobilismo.”

“É um carro que tem dado resultados muito bons e acho que há muita igualdade em termos de desempenho, como vimos no GT World Challenge, cujo BoP está muito bem feito. A IMSA deve ter percebido isso e foi o passo lógico a dar”.

“No final do dia vamos todos nos adaptar à situação, mas gosto muito do GTE, porque tem menos ajudas ao piloto, como o ABS, o que o torna um pouco mais para um carro de corrida.”. 

“Mas desde que estou na Ferrari tenho feito campeonatos em um tipo de carro e no outro e no final você se adapta a isso”, finaliza

Published
1 mês ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mantem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.