Corvette constrói quarto C8.R GTLM

(Foto: Divulgação)

A Corvette Racing divulgou nesta terça-feira, 15, que iniciou a construção de um quarto Corvette C8.R GTLM. O motivo são as etapas de Watkins Glen pela IMSA e as 24 Horas de Le Mans

De acordo com o gerente da equipe Marc Maurini, da Pratt & Miller, que constrói as versões de competição do modelo GM, o carro será finalizado até agosto. O atual #4 pilotado por Tommy Milner e Nick Tandy, se tornará o# 64 carro em Le Mans ao lado do #63 que permaneceu na Europa desde a etapa de Spa-Francorchamps do WEC em abril.

Maurini explicou que o adiamento das 24 Horas de Le Mans para os dias 21 e 22 de agosto, forçou a equipe a construir um carro adicional mais cedo do que o esperado.

“Estávamos planejando construir este carro fora da temporada”, disse ele ao Sportscar365.“Tudo ficou comprimido. Tivemos uma pequena pausa aqui, então conseguimos fazer muito. Muitos componentes têm prazos de entrega de 16 semanas para usinar e fabricar. Tomamos a decisão muito cedo, assim que a nova data de Le Mans foi anunciada”. 

“Já tínhamos o chassi fisicamente construído e foi quando decidimos começar a construí-lo em um carro completo”, explicou. 

A rodada do campeonato WeatherTech na Road America está marcada para o domingo, oito de agosto, apenas três dias antes da equipe precisar embarcar para a França.

“Na verdade, temos que estar em Le Mans na quarta-feira às 18h”, explicou Maurini. “Para nós, logicamente, temos que completar a corrida Road America, levar todos os equipamentos e chassis de que precisamos para a Europa”.

“Normalmente, voávamos para o aeroporto de Heathrow em Londres, transportamos de avião para lá e depois os transportamos. Agora que o Reino Unido não faz parte da UE, provavelmente iremos direto para a França”. 

“Mas com as limitações dos voos por conta do COVID-19, todo o processo demora cerca de cinco dias. Não podemos fazer isso com nossos carros atuais”, enfatizou. 

Maurini disse que o novo carro #4, que é tecnicamente o quinto chassi nº 5 , será transportado para a França após a corrida Road América como um chassi reserva, mas não chegará antes do dia de teste.

“Costumávamos ser capazes de transportar tudo de avião e agora é muito caro fazer o frete aéreo”, disse Maurini. “Estamos avaliando se é mais barato comprar coisas com antecedência e enviá-las pelo mar”.

“Por exemplo, em vez de transportar um conjunto de rodas por frete aéreo, estamos comprando rodas novas e mandando-as diretamente da BBS para a Alemanha”.

“Essas são algumas das discussões divertidas que tivemos. Mas eu não vejo nenhuma bandeira vermelha para nós. Obviamente, Le Mans é algo que este programa já faz há algum tempo e estamos muito bem familiarizados com isso”. 

Corvette na classe GTD-Pro 

 Marc Maurini, explicou que aguarda uma definição por parte da IMSA e das equipes da classe GTD, para poder converter seus atuais modelos para a especificação FIA GT3. 

“Com base no que entendemos para os requisitos da classe GTD-Pro agora, seria muito fácil mover os carros para frente e para trás entre as duas especificações”, disse Maurini. “Um dia de trabalho pode movê-los para a frente e para trás”.

“Tudo o que planejamos fazer é em torno da capacidade de sermos flexíveis nessa situação. Acho que temos nossas bases sólidas”. 

“Para nós, estamos definitivamente competindo em Le Mans em 2022. Definitivamente vamos correr na classe GTE-Pro, então gostamos de construir um carro novo uma vez por ano, dessa forma estamos recebendo carros novos e não rodando com componentes de alta quilometragem nos eventos passados”, finalizou. 

Published
2 meses ago
Categories
24 Horas Le Mans
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mantem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.