Zak Brown da McLaren sobre Hypercars: “Precisamos conhecer as regras”

McLaren 720S GT3

(Foto: Divulgação)

O diretor esportivo da McLaren, Zak Brown, deu mais uma pista sobre uma eventual participação da marca inglesa na futura classe de Hypercars do Mundial de Endurance, que entra em vigor a partir de 2020.

A nova classe substituirá os atuais protótipos LMP1, e sua aceitação não está sendo a esperada pela ACO e FIA, muito pela mudança radical no projetos dos carros, outra pelas regras que ainda não foram totalmente reveladas. Outro impasse é a aceitação dos novos “protótipos” pela IMSA, que foi o local escolhido pelos fabricantes para competir, visto os custos diminutos, e a não obrigatoriedade de sistemas híbridos.

A FIA/ACO exige que cada Hypercar tenha pelo menos 20 unidades similares, produzidas em série. Zak espera que os regulamentos sejam apresentados logo: “Eles ainda estão trabalhando para finalizar as regras e nosso interesse permanece, mas precisamos ver as regras finais e ter certeza de que é algo para o qual temos a tecnologia certa e o orçamento certo”, disse ele à RACER. “Então, acho que, embora tenham anunciado as regras, eles estão tentando modificá-las e engajadas com os fabricantes, e acho que isso vai chegar ao auge para todos no próximo mês ou dois”.

O dirigente garante que não alinhará no grid antes de 2020, jogando suas fichas para 2021, na melhor das hipóteses. “Sabemos que não estaríamos prontos em 2020, então o mais cedo que potencialmente entrarmos é 2021, mas neste momento é muito ‘‘potencialmente’’. Nós gostamos de Le Mans, mas como você me ouviu dizer mil vezes, eu tenho que ter certeza que nosso time de Fórmula 1 está indo na direção certa. E então, é claro, temos a IndyCar, então temos que nos certificar de que fazemos as coisas na ordem certa, nos momentos certos.”

A IMSA também está na mira da McLaren. Os boatos de que a série americana adotará modelos híbridos ou os Hypercars, também pesa na decisão de desenvolver um novo modelo. Brown gosta da série e a opção DPi também está em cima da mesa. “Sou muito defensor das regras DPI”, disse ele. “Eu espero muito que Le Mans, Daytona, possa se unir. Acho que esse é o melhor cenário para todos, independentemente de quais regras sejam usadas. Mas acho improvável que façamos um DPi, apenas porque, se entrarmos no automobilismo norte-americano em tempo integral, provavelmente seria na IndyCar”.

“Eu não iria nos ver correndo em duas séries americanas neste momento. É claro que já temos nossos carros de clientes GT3 e GT4, mas no que diz respeito a corridas profissionais, temos história na IndyCar”.

“Sou fã do DPi, mas só temos recursos para competir em uma série na América do Norte. Se fôssemos para a América do Norte, é mais provável que fosse na IndyCar, entrar na IMSA com protótipos, só se fossem iguais na europa”, finalizou.

 

Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *