Corvette tanto na IMSA quanto no WEC

(Foto: Divulgação)

Com o programa da Cadillac definido, com protótipos LMDh na IMSA e WEC, a GM também quer que a Corvette faça parte do quinhão. Competindo atualmente na classe GTLM, que será extinta da IMSA em 2022, o fabricante estuda formas de manter o C8.R na ativa. 

De acordo com a gerente de motorsports da GM, Laura Wontrop, a Corvette não descarta competir tanto na IMSA quanto no Mundial de Endurance. O fabricante americano, que deu a entender que planeja uma participação mais forte do WEC e nas 24 Horas de Le Mans.  

Na IMSA, dois C8.R serão convertidos para especificação GT3, para poder competir na nova classe GTD-Pro. Com quatro chassis disponíveis, Klauser disse que eles têm a flexibilidade de “selecionar e escolher” as melhores corridas e especificações. Um carro estaria reservado para o WEC.

“Não acho que você tenha que descartar nenhuma dessas opções”, disse Klauser ao site Sportscar365. “Ainda estamos tentando descobrir onde colocaremos os carros. A boa notícia é que estamos chegando ao final do ano”. 

“Não há nada para confirmar ou negar neste momento. Olhando para o tique-taque do tempo, vamos chegar a uma conclusão e colocá-la para fora assim que fizer sentido”, enfatizou. 

Como não existe conflito de provas de ambas as séries, a logística não seria um problema. “Esse parece ser um potencial a cada ano”, disse Klauser sobre competir no WEC. “É algo que olhamos há um tempo. Obviamente, a maioria dessas discussões foi antes da minha chegada. Eu não diria que está fora de questão. É garantir que equilibramos os recursos de forma adequada”, enfatiza. 

“Temos falado muito sobre o WEC recentemente com o Cadillac porque planejamos chegar lá em 2023. Portanto, estamos fazendo muitas investigações para entender o que isso significa. É uma grande tarefa quando você agora precisa se preocupar em enviar carros através dos oceanos em vez de apenas colocá-los em um caminhão e atravessar vários estados”.

Klauser disse que há prós e contras em operar como um carro com dois ou um carro, o que a equipe tem experiência em ambos.

“Há muitos benefícios em administrar um programa de dois carros”, disse ela. “Você tem seu segundo carro para fazer diferentes estratégias no meio da corrida. Você tem a capacidade de equipar adequadamente dois carros, o que lhe dá um pouco mais de liberdade com as pessoas. Mas também há maneiras de fazer um programa de um carro com sucesso. Eu não acho que haja nada dizendo que temos que fazer isso de uma forma ou de outra. Seria apenas uma questão de metas e orçamento”, finalizou. 

Published
1 mês ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista MTb 6873/SC, formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mantem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.