T.50 projetado por Gordon Murray poderá ter versão para o Mundial de Endurance

Mais uma equipe interessada no Mundial de Endurance. (Foto: Divulgação)

Gordon Murray ex-projetista da McLaren e Braham e que desenhou o McLaren F1, e que recentemente apresentou os primeiros desenhos do T.50, superesportivo avaliado em £ 2 milhões, revelou a intenção de participar do Mundial de Endurance. Ele já teria entrado em contato com os promotores do WEC e das 24 Horas de Le Mans. 

Em entrevista ao site Motorsports.com, Murray, que várias equipes de clientes demonstraram interesse em competir com o T.50, considerado o sucessor natural do McLaren F1, que venceu as 24 Horas de Le Mans de 1995 em sua versão GTR. 

“As pessoas que dirigem a série estão muito interessadas em nos receber de volta após nossa história em Le Mans com o F1 GTR – falei com o ACO e a FIA em fevereiro deste ano”, disse Murray. “Posteriormente, tivemos alguns clientes que estão muito interessados ​​em pilotar o carro. Somos todos pilotos aqui, por isso também estamos muito interessados ​​em pilotar. Está no nosso DNA.”

“Estamos prestes a anunciar em breve uma parceria com uma equipe de F1 para o uso de um túnel de vento no desenvolvimento do T.50, por isso já estamos um passo mais perto das corridas”.

O projetista deixou claro que até o momento nenhuma decisão sobre o T.50 em pista foi fechada. Ele deve se encontrar com o presidente da SRO, Stephane Ratel, para lhe orientar sobre as corridas. O esportivo será equipado com um motor V12 de quatro litros, fabricado pela Cosworth. Os 100 carros começaram a ser entregues em 2022. Murray afirma que uma versão de competição pode ganhar vida antes. 

Isso seria permitido sob as regras do hipercarro, que determinam uma produção mínima de 20 carros concluída dentro de dois anos após o início da corrida.

“Se o fizermos, seria feito por uma equipe separada e paralelamente ao carro de estrada, e já temos uma unidade para realizar operações especiais de veículos”.

Murray admitiu que a aerodinâmica ativa do carro de estrada T.50 que compreende um ventilador elétrico de seis modos quase certamente não seria permitida em uma versão de corrida.

“Eu não acho que eles nos deixariam usar o ventilador; acho que não me daria bem com isso de novo”, disse ele em referência ao Brabham-Alfa Romeo BT46B F1 de 1978.

Outra preocupação é com o peso mínimo. De acordo com os regulamentos, o hypercar deve ter um peso mínimo de 1100 kg. O T.50 pesará 980 kg. Uma versão homologada terá que pesar 890 kg. 

“Uma versão de corrida do T.50 provavelmente sairia com cerca de 900 kg, portanto, aparafusar algumas centenas de quilos de lastro não seria interessante”, disse ele. “Mas como as novas regras se baseiam no equilíbrio de desempenho, esperamos que haja alguma maneira de corrermos mais leves, mas com menos energia”.

A Gordon Murray Automotive foi fundada como empresa irmã da Gordon Murray Design em 2017 com a intenção de construir um novo supercarro no espírito da McLaren F1. O T.50 foi lançado em junho deste ano com a divulgação das especificações do carro e a abertura de pedidos.

 

Published
1 semana ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *