McLaren só quer GT3 “anabolizados” no Mundial de Endurance

McLaren

750SGT3 é a base do McLaren Senna, e que pode ter versão competindo no WEC em um futuro próximo. (Foto: Divulgação McLraren)

Após a pressão de montadoras como Aston Martin, McLaren e Ferrari, para que a organização do Mundial de Endurance, alterasse os regulamentos para a nova geração de protótipos, Zak Brown, CEO da McLaren, faz lobby para que apenas modelos produzidos em série, sejam aceitos no WEC.

Hoje dois modelos são aceitos, os produzidos do zero, e os modelos como o McLaren Senna, que é baseado em um modelo GT3, mais barato. Para o biênio, 2020/2021, quando os novos regulamentos estarão em vigor, serão três tipos de carros na principal classe do WEC, LMP1, Hypercars de rua e Hypercars projetados especialmente para a série.

Em entrevista ao site Sportscar365.com, o dirigente, quer apenas modelos baseados em veículos de série, algo que já é feito com os modelos GTE e GT3. Preferimos um hipercar baseado em produção”, disse Brown. “Queremos ver a Aston Martin, a Ferrari e a Porsche em hipercarros de estrada. Eu acho que é isso que os fãs querem e com o que queremos competir.”

“Eu sei que há um elemento de equilíbrio de desempenho, que pode funcionar, mas quanto mais diversidade de carros de corrida você traz, mais difícil a tarefa se torna. Além disso, queremos correr com os carros que vendemos. Se você inserir protótipos nesse mix, começa a se tornar uma mensagem de marca errada”.

Equipes privadas poderão inscrever protótipos LMP1 para o próximo ano, além da Toyota que não tem um “esportivo” de estrada.

Super GTE

O dirigente que também é dono da equipe United Autosports, defende que modelos GTE, sejam a base dos futuros carros, tudo para baratear os custos. Este conceito foi apresentado e apoiado pelos fabricantes, antes dos regulamentos dos Hypercars, entrarem em vigor.

“Eu acho que o diabo está nos detalhes,” disse Brown. “Eu acho que precisa ser um supercarro [como um Ford GT]. Para a Porsche, você preferiria que fosse o 918 [do que o 911], e mais o La Ferrari do que o 488. Então, torna-se difícil do ponto de vista do Equilíbrio de Desempenho”.

“É uma coisa que precisa ser definida por todos. O BoP funciona nos GTE, mas tudo está em uma plataforma inicial semelhante. Se tiver protótipos, GTE Plus, Hypercar, será um grande desafio”.

Caso a McLaren entre na competição, será apenas a partir de 2022. “A primeira temporada está definitivamente fora de questão”, disse Brown. “Se você vai fazer isso, você quer estar totalmente preparada e não se apressar. Nós definitivamente não estaríamos prontos para o calendário de 2020-21,” finalizou.

 

Published
12 meses ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mandem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *