LMP2 e DPi podem competir em classes distintas na IMSA

(Foto: IMSA)

(Foto: IMSA)

A disparidade entre protótipos DPi e LMP2 sempre foi motivo de discussões entre equipes, fãs e a própria IMSA. A predileção primeiro pelos antigos Daytona Prototypes, e agora pelos Daytona Prototypes Internacional foi elevada a um grau maior. Desde o lançamento dos novos modelos, nenhum LMP2 venceu na IMSA.

Para evitar afugentar equipes e principalmente patrocinadores, o diretor da entidade, Scott Atherton, planeja desmembrar as duas classes de protótipos. A decisão ainda está nos primeiros estágios de discussão.

“Nós conversamos sobre isso”, Atherton disse Sportscar365. “Se não era para ser esse tipo de separação, a configuração mais lógica seria a de posicionar os DPi como modelos de fábrica e os LMP2, uma categoria pro-am.”

“Neste momento não chegamos a nenhum acordo. Tem havido muita consideração, mas nenhum plano iminente para fazer qualquer mudança. Eu diria que é improvável para o próximo ano.”

Proprietários de modelos LMP2 avaliam com bons olhos tais mudanças. Os donos da equipes Visit Florida Troy Flis e Boddy Oergel da  PR1/MAthiasen, que correm com LMP2 aprovam a ideia. “Você já tem a categoria”, disse Oergel. “Você tem DPi e LMP2. Então, vamos colocar um rótulo nela e tirar proveito. Coloque o aspeto Pro-Am de volta na série.”

“Obviamente isso foi muito bem sucedida na ALMS com esse tipo de atitude Pro-Am.”

“Esta categoria como é não será capaz de continuar sem apoio de fabricantes. É, basicamente, transformar-se em uma GTLM. E se você não tem esse apoio [de fabricante], você está fora.”

O acordo entre IMSA, FIA E ACO é de que protótipos LMP2 fossem a classe dominante ou base para a classe. O que está se vendo através do BoP é um descarado favorecimento aos modelos americanos.

“Eu acho que você ainda tem a pequena chance de vencer no geral, se os DPIs tiveram problemas,” disse Flis ao site Sportscar365.

“Eu não acho que é justo também. A Cadillac fez um bom trabalho no desenvolvimento do carro, construindo o carro sob as regras da IMSA.”

“Para mim, como um piloto, é uma espécie de um tapa na cara. Você fez um bom trabalho e então você não tem chances de vencer.”

Scott Sharp, dono da equipe ESM que tem uma parceria oficial com a Nissan, é contra tais mudanças. “Nós apenas temos que encontrar maneiras de igualá-los”, disse Sharp. “A JDC tem feito um grande trabalho e ficou na frente em  algumas corridas e sessões práticas. Acho que isso mostra o potencial do LMP2.”

“Eles vão correr bem em certas pistas, outras os DPi serão melhores.”

Para Atherton o desafio é equilibrar as coisas: “É um desafio constante que nós, como um grupo e eu, pessoalmente, estou orgulhosos do trabalho que a nossa comissão técnica fez em equilibrar estes carros”, disse ele.

“O feedback que estamos recebendo a partir de equipes LMP2, eu acho que todos eles desejam resultados que refletem o real desempenho dos seus carros.”

“Tem havido um carro LMP2 no pódio e muitas vezes liderou por várias voltas. Por uma combinação de razões, eles não venceram.”

Tanto Oergel quanto Flis, acreditam que uma decisão sobre a separação das classes deve ser agilizada o quanto antes, para evitar desistência por parte das equipes. “Você está indo para obter grandes marcas na série [vindo com carros dpi] e isso é fantástico. Mas como muitos [LMP2s] você está perdendo apenas para manter o número do mesmo? Isso é o que eu vejo acontecendo”, disse Oergel.

Flis acrescentou: “Eu sei que há um monte de rumores do paddock sobre o que eles podem fazer e o que eles devem fazer. “Eu acho que todo mundo precisa dar uma boa olhada nisso durante os próximos 30 dias e fazer algo realmente bom. Eu acho que o futuro depende disso.”

* Com informações do site Sportscar365.com

 

Published
5 meses ago
Tags
, ,
Comments
Comentários
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.