Gerard Neveu, CEO do WEC. “Gostariamos de ter três ou mais fabricantes na LMP1”

Gerar Neveu e Pierre Fillon, presidente da ACO. (Foto: AdrenalMedia)

Gerard Neveu e Pierre Fillon, presidente da ACO. (Foto: AdrenalMedia)

Caminhando para sua sexta temporada, o Mundial de Endurance, encara um 2017 diferente. Sem a Audi, um dos pilares da categoria, Porsche e Toyota, vão estar no centro das atenções. Uma nova classe LMP2, que terá apenas protótipos Oreca. Entre os GTs, uma valiosa conquista. O título de campeão do mundo para os vencedores da classe PRO.

Serão 28 carros para 2017, quatro a menos do que a temporada passada. Em entrevista ao site Endurance-info, o CEO do WEC, Gerard Neveu, acredita que a estabilidade dos últimos anos, vem fazendo bem à categoria. O ponto negativo, é claro, a saída da Audi.

Você está satisfeito com o número de carros para a temporada 2017?

“Quando você pensa sobre o contexto geral do automobilismo, você não pode reclamar.

“Dito isto, você tem que ter muita humildade e ser prudente. Lamento a partida da Audi, e saúdo os novos LMP2.”

“Eu acredito que temos coisa muito boa, considerando que muitos tinham previsto [somente] 20 a 22 entradas.”

Você sente que é uma desvantagem ter apenas dois fabricantes na LMP1?

“Eu não posso negar que gostaríamos de ter três ou mais fabricantes.”

“Os dois primeiros anos do campeonato, nós tínhamos Audi e Toyota, corridas com animação, e ter dois fabricantes não significa, ser menos emocionante.”

“LMP1 privada está em processo de reestruturação e os anúncios recentes estão indo na direção certa. Esta temporada será um pouco complicada, mas a chegada de Robert Kubica é um dos destaques. “

A LMP2 atende às suas expectativas?

“O fato de haver apenas um construtor é uma situação de timing, devido à partida de algumas equipes, mas você ainda vê o perfil e o nível das equipes e pilotos.”

“O desempenho dos carros novos é espectacular.”

A chegada de um título mundial na classe GTE é uma vantagem?

“É verdade que ter um título mundial da FIA vai motivar os fabricantes ainda mais. BMW vai chegar no próximo ano e esperamos que outros irão seguir seu exemplo.”

“Desde o anúncio do título mundial, as discussões começaram com outras marcas, mas sem prazos específicos. Do lado dos GTE-Am, podemos falar de consistência.”

Há um renovado interesse nas classes GTs com cinco fabricantes para 2018. Os GT irão ser mais importantes do que os protótipos?

“GT e protótipo são duas histórias paralelas. Mas os orçamentos não são os mesmos. GT é um mercado focado em modelos de série, enquanto protótipo tem uma longa história.”

“Temos a vantagem de ter essas duas famílias no campeonato.”

“As quatro marcas atualmente presentes na classe GTE, produziram um grande show e rapidamente se adaptaram às novas regras. A recompensa é agora o título mundial. Outros fabricantes estão a caminho.”

A etapa mexicana está em perigo devido à situação econômica do país?

“Não posso negar que a situação entre o México e os EUA não é a mais confortável. Mas a corrida ainda está confirmada.”

“Nós temos que avaliar os riscos envolvendo a corrida.”

Com 28 carros em tempo integral, você antecipa carros adicionais para alguns circuitos?

“Se houver solicitações, por que não? Vamos analisá-lo caso a caso, dependendo da capacidade da pista.”

A temporada foi mais complicada para você do que nos últimos anos?

“Nossa equipe não parou de trabalhar desde o final do Bahrain. Tivemos de nos adaptar à partida de um fabricante. Mas estamos preparados para este tipo de situação. O WEC está preparado e se adaptado.”

Published
3 anos ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *