Dirigente da Toyota não entende como equipe conquistou pole para etapa de Fuji do WEC

Dirigente da equipe não entendeu como a Rebellion foi mais lenta. (Foto: Divulgação Toyota)

O domínio da Toyota durante o treino classificatório para as 6 Horas de Fuji, que aconteceu neste sábado, 05, deixou o diretor técnico da Toyota, Pascal Vasselon, surpreso. A diferença do TS050 #8, que marcou 1:25.013, contra 1:26.163, para o Rebellion #1, na terceira posição, foi visto com espanto. 

A diferença de 1,150 segundos foi maior do que a discrepância que aconteceu na etapa de 2018. O tempo obtido no ano passado pelo TS050 #8 foi de 1:23.648. O dirigente não entende que mesmo com o handicap desfavorável, o carro superou os modelos privados. 

Treino classificatório 2018

Treino classificatório 2019

“Fizemos algumas análises da competição e podemos dizer que Ginetta se saiu bem, como poderíamos esperar”, disse Vasselon. “Infelizmente, eles tiveram uma rotação que de alguma forma desqualifica o carro”.

“O que é realmente surpreendente, e para o qual não temos explicação, é o desempenho realmente ruim da Rebelião. Eles perderam quase dois segundos em comparação com o ano passado.

“Se nos referirmos ao LMP2, que é uma boa referência, eles perderam algo como 1,5 segundos. É muito difícil de entender. Até onde sabemos, eles estão operando o mesmo carro com a mesma especificação. Nós não temos a resposta”.

A comparação do LMP2 de Vasselon baseia-se no fato de que o pole na classe LMP2, que não apresenta handicap de sucesso, foi quatro décimos mais lento este ano em comparação a 2018.

“É difícil ser extremamente preciso, porque muitas coisas mudaram”, disse ele. “Mas, tomando o LMP2 como referência, a diferença é maior que o esperado. Do nosso lado, o impacto do handicap foi pouco maior do que o esperado”.

“Em relação ao LMP2, perdemos 1,3 segundos em relação ao ano passado, quando normalmente deveríamos ter perdido um segundo”, explicou. 

Equipe suíça largará na terceira posição. (Foto: Rebellion Racing)

Bruno Senna acredita que o desempenho aquém do esperado, se deu por escolhas erradas. Foi um dia difícil. Tomamos algumas decisões que talvez não tenham sido as mais adequadas ao carro e andamos para trás em termos de balanço e performance”, explicou Bruno, que acompanhou dos boxes o esforço dos parceiros para chegar à primeira fila. A média das melhores voltas de Nato e Menezes foi 1s150 pior que a Nakajima e Hartley.

O brasileiro torce para uma reviravolta. “No molhado as coisas ficam um pouco piores para nós, mas vamos ver o que vai acontecer. A chuva transforma tudo em um pouco de loteria, principalmente em termos de estratégia. Estamos um pouco mais conservadores aqui em relação ao equilíbrio do carro para ver se ganhamos um pouco mais de estabilidade. De qualquer forma, vamos para a briga”, concluiu.

Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *