Motor do Corvette C8.R será aspirado

Câmbio desenvolvido para o carro ajudou no desenho do difusor traseiro. (Foto: Divulgação)

A GM divulgou os dados técnicos do Corvette C8.R, que irá disputar a temporada 2020 da IMSA e 24 Horas de Le Mans. O modelo substitui o C7.R que estava na ativa desde 2014. As especificações foram apresentadas nesta quinta-feira, 10, em Road Atlanta, etapa da última prova do Weathertech neste ano.

O diretor da GM Racing, Mark Kent, apresentou detalhes do modelo que de acordo com o dirigente, é muito próximo da sua versão de rua. O Corvette C8 e C8.R começaram a ser concebidos há seis anos, resultando em mais de 100 peças e 80% de componentes estruturais compartilhados. 

“Era importante para nós desenvolver o carro de corrida ao lado do carro de produção, para que cada produto pudesse aproveitar adequadamente a nova arquitetura”, disse Ed Piatek, engenheiro-chefe da Corvette. “Os benefícios deste supercarro de motor central, incluindo seu incrível equilíbrio e sensação de conectividade à estrada, serão óbvios nas ruas e nas pistas”.

O carro ao contrário do que a imprensa afirmava, não será turbo. “O Stingray seria normalmente aspirado”, disse o diretor técnico da Corvette Racing, Doug Louth. “O motor anterior era muito leve e muito simples em comparação com a complexidade e os desafios térmicos de um motor turbo de menor cilindrada”.

“Muitas coisas são adequadas para seguirmos nessa direção.”

O motor rende 500 cavalos de potência, limitados pelos regulamentos da classe GTE do WEC. Uma caixa de câmbio de seis velocidades Xtrac, foi desenvolvida especificamente para o carro. A medida fez foi necessária para um melhor desenvolvimento do difusor de ar. 

Motor será aspirado. (Foto: Covette Racing)

A colocação do motor na parte central do carro proporcionou que o habitáculo e local em que o piloto está sentado, ficasse 16 polegadas para à frente. A equipe de engenharia também conseguiu tirar proveito das liberdades aerodinâmicas da FIA e da ACO, introduzidas pela primeira vez nos regulamentos de 2016.

“O C7.R, em termos de homologação ACO e FIA, era um carro de 2015”, explicou Louth. “Então, como o C7.R foi homologado para 2014, houve uma grande mudança de regras que criou muito mais liberdade aerodinâmica e teve janelas de desempenho aerodinâmico mais altas”.

“Vários fabricantes, incluindo nós, converteram um carro 2014/15 em 2016, fizeram todas as atualizações aerodinâmicas que pudemos. As outras marcas fizeram carros novos, desenvolvidos especificamente para as novas regras. Como começamos com o pacote de regras anterior, não conseguimos tirar proveito de todas as regras”. 

“Isso será realmente emocionante para termos um carro a par, se não melhor, do que a concorrência”, finalizou. 

O carro rodou mais de 6 mil km em testes no circuito particular da GM e em Sebring. 

Published
1 mês ago
Tags
,
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *