Škoda 1100 OHC e o sonho de competir em Le Mans

Carro produzia 92 cv de potencia e pouco mais de 500 kg. (Foto: Divulgação)

Quem acompanha o Mundial de Endurance, conhece as equipes G-Drive e SMP Racing. Ambas são russas e com bastante dinheiro. A G-Drive continua na ativa, enquanto a SMP Racing desistiu de competir no WEC na temporada de 2019/20, por não concordar com os regulamentos da classe LMP1 e o “desbalanceamento” entre equipes de fábrica e privadas. 

Muito antes disso, a Škoda tentou competir nas 24 Horas de Le Mans, mas não conseguiu. A Škoda Auto é uma companhia automobilística sediada na República Checa, fundada em 1925. Desde 1991 faz parte do portfólio de marcas do Grupo Volkswagen. A Škoda e um dos fabricantes mais antigos do mundo.

Em 1957 a Škoda apresentou o modelo 1100 OHC para competir em Sarthe. O desenvolvimento começou em 1956. Ele chegou a vencer uma corrida no circuito Mladá Boleslav em junho de 1958. 

Sua construção seguia o padrão da época. Possuía uma estrutura de treliça feita de tubos de aço e usava um motor de quatro cilindros com 1.089 cc de quatro cilindros montado longitudinalmente a uma caixa de câmbio de cinco marchas montada na parte traseira. 

O motor possuía um deslocamento de 1.089 cm3, gerando 68 kW (92 cv) a 7.700 rpm (a velocidade máxima foi de 8.500 rpm), o que correspondeu a um litro de capacidade de pouco menos de 63 kW (85 cv). Originalmente, o motor funcionava com combustível de aviação de alta octanagem, que era alimentado em dois carburadores gêmeos feitos pela marca tchecoslovaca Jikov e mais tarde pelo fabricante italiano WEBER.

O carro conseguia chegar a 200 km/h, graças ao peso de apenas 583 kg para a versão roadster e 555kg na variação coupé. Mesmo com a relação peso-potência favorável, a carroceria feita de plástico e reforçada com fibra de vidro ajudava na redução de peso. O 1100 OHC foi projetado por Jaroslav Kindl. 

Dois carros com carroceria aberta foram construídos em 1957 e 1958, e dois coupés com carroceria de alumínio adicionais seguiram em 1959. Infelizmente, os dois coupés foram destruídos em acidentes, mas a Skoda conseguiu reconstruir os carros com peças sobressalentes. 

As versões abertas sobreviveram a guerras e conflitos políticos da União Soviética e a Guerra Fria. Um está exposto no museu Skoda em Mladá Boleslav na República Tcheca e participa de corridas históricas, e o outro é propriedade da Skoda UK. Infelizmente o principal propósito do carro não foi alcançado, competir nas 24 Horas de Le Mans. 

Published
2 semanas ago
Categories
24 Horas Le Mans
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mantem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.