WEC quer expandir nos EUA

2014-6-heures-du-Circuit-des-Ameriques-6-hours-rw4-1609_hd

“Dividida” em uma das curvas de Austin em 2014. (Foto: Divulgação WEC)

 

Não é de hoje que a ACO e o WEC querem aumentar sua participação no continente americano. A prova realizada em Austin sempre reuniu um bom público e sendo os EUA o principal mercado automotivo do mundo nada mais natural explorar este potencial.

Em vias de ter seu contrato renovado as opções além de competir no COTA são grandes. “Nós estamos começando a discutir isso agora”, disse Andrew Craig dirigente do WEC ao site Sportscar365. “Queremos continuar a correr aqui. Estamos começando agora essas discussões em trabalhar com o nosso promotor para termos mais um evento.”

Além de Austin, se cogita correr no Canadá e no circuito Hermanos Rodrigues no México. Além disso existe conversas com a administração do Indianápolis Motor Speedway.  “Nós nunca vamos ter 20 corridas no WEC. Eu acho que haverá um aumento gradual do número de provas, mas vamos organizar co cuidado. Os EUA é  muito importante para os nossos fabricantes, e estamos ouvindo isso. “

Sobre a possibilidade de novas equipes se juntarem ao WEC em Austin o dirigente foi enfático. “Estamos em uma situação feliz, onde nós realmente tinhamos muitos carros no início do ano, e encontramos uma maneira de acomodar todos”, disse Craig. “Nós estamos realmente funcionando no máximo. Eu não estou esperando nenhuma entrada pontual significativas.” Disse.

Bobby Rahal e seus planos com um LMP2.

Bobby Rahal um dos principais nomes do automobilismo americano avalia uma investida na classe LMP2 para os próximos anos, com foco nas 24 horas de Le Mans. Além de competir nas provas longas do TUSC. “Eu quero montar um negócio com protótipos e mesmo que seja apenas nas provas longas do TUSC, é o que nós precisamos fazer para se qualificar para Le Mans “, disse Rahal a revista RACER . “É algo que queremos fazer para acrescentar à nossa lista de vitórias e mesmo se ele não estiver em um P1, vencendo Le Mans na classe P2 seria muito gratificante”.

“Realisticamente, poderíamos esperar até 2017 sabendo que há uma mudança de carro prestes a acontecer, mas poderíamos falar com as equipes para alugar um carro”, disse Rahal, cujo seu carro venceu a última etapa em Fontana pela Fórmula Indy.

Com uma possível ida para a classe LMP2 os programas da Indy e GTLM poderiam ser cancelados. “Ganhar as quatro grandes corridas da IMSA seria uma grande atração, também, Daytona, Sebring, Watkins e Petit Le Mans, e em seguida, a chance de ir para Le Mans”, acrescentou Rahal. “Ir a Le Mans com meu filho Graham também é um sonho meu.Ele correu nas 24 hora de Daytona e seria especial competir com ele em Le Mans.”

Published
5 anos ago
Tags
,
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mandem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *