Toyota será 1,4s mais lenta em Fuji

(Foto: Divulgação)

A organização do WEC divulgou nesta segunda-feira, 16, as primeiras alterações no EoT da classe LMP1, baseadas no handicap de sucesso que começou a ser utilizado na temporada 2019/20 do Mundial de Endurance. 

De acordo com os regulamentos, o protótipo que tiver a melhor colocação, será “penalizado”. Os vencedores Mike Conway, Jose Maria Lopez e Kamui Kobayashi que conquistaram na vitória nas 4 Horas de Silverstone, serão 1,4 segundos mais lento por volta na próxima corrida disputada em Fuji.

EoT classe LMP1

BoP classe GTE

O TS050 #7 terá menos poder híbrido e vazão de combustível. Ele manterá seu limite de peso mínimo de 932 kg que foi imposto pouco antes do fim de semana de Silverstone, assim como s#8, que terminou em segundo na última vez. O protótipo pilotado por Sebastien Buemi, Brendon Hartley e Kazuki Nakajima ficará um segundo mais lento por volta em Fuji, cerca de 9,5% menos energia híbrida disponível em comparação com seu irmão.

O Ginetta Ginetta G60-LT-P1 AER terminou em quarto lugar geral em Silverstone e, portanto, ficará 0,66 segundos mais lento por volta. Ele recebeu a terceira maior desvantagem de sucesso para Fuji, porque o Rebellion R13 Gibson #, que alcançou o pódio na última vez, não estará competindo no Japão. As mudanças neste carro incluem um aumento de peso de 34 kg, de 833 kg para 867 kg.

Já o Rebellion #1, que terminou em décimo geral e o quarto melhor na classe, será 0,03 segundos mais lento por volta, enquanto o Ginetta #6 que terminou atrás dele não será mais lento. Ele será o carro de referência para as desvantagens dos outros LMPs.

A fórmula para determinar as alterações é baseada em um coeficiente de 0,008, que, quando multiplicado pela duração do circuito e pela diferença de pontos no último carro LMP1, gera um handicap de segundos por volta.

As diferenças de pontos na atualização Fuji parecem refletir as posições de chegada dos carros que competiram em Silverstone, em vez da ordem dos LMP1 sozinha.

Isso explica por que os três primeiros carros deficientes – os únicos a terminar à frente do vencedor da classe LMP2 – receberam desvantagens tão grandes em comparação com a Rebellion #1 e Ginetta #6, que terminaram em 10 e 28 respectivamente.

Published
1 mês ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *