Toyota não deixa tão cedo o Mundial de Endurance

Toyota está desde 2012 no Mundial. (Foto: Divulgação)

A Toyota que está desde a primeira edição do Mundial de Endurance em 2012, não deve deixar a série, pelo menos a médio prazo. Em entrevista ao site Racer.com, o diretor da equipe, Pascal Vasselon, elogiou os rumos que a série está tomando, e mostra empatia pelo novo regulamento que entram em a partir de 2020.

“Estamos muito envolvidos com as discussões desde o início”, disse Vasselon. “Promovemos muitos dos conceitos que estão em vigor nos regulamentos e acreditamos que, pela primeira vez, um regulamento técnico foi concebido para atrair a aceitação, pelos fabricantes e também pelos privados”.

O controle dos custos, crítica eterna dos fabricantes, parece que foi ouvido pela FIA. A guerra entre Audi, Toyota e Porsche, acabou afastando outro fabricantes além é claro da reticência da FIA/ACO em aceitar novos players sem sistemas híbridos.

“Esses limites foram projetados para serem relativamente fáceis de alcançar, e é aí que estão as economias de custo”, explicou Vasselon. “Colocar uma equipe lá é muito difícil porque você sempre encontrará pessoas que gastarão mais dinheiro do que as outras.”

“Mas, para dar um exemplo, a potência máxima do motor será de 520 kW (700hp). Isso tem que ser obtido com um BSFC (Freqüência Específica de Consumo de Combustível, uma medida de eficiência de combustível) de 230, que é fácil de alcançar, portanto, não será necessário gastar muito dinheiro para obter um motor capaz de fornecer uma confiabilidade confiável. kW.”

“Será possível comprar esse tipo de motor (como um motor de produção). Tenho certeza que alguns vão querer gastar mais, mas é inútil.”

“Com a aerodinâmica é o mesmo – os novos regulamentos definem um nível de eficiência aerodinâmica de grau ‘4’, o carro atual está em 6,5. Mais uma vez, é relativamente simples alcançar o nível que será exigido nos novos regulamentos com alguns bons engenheiros. Claro, você pode ter 20 pessoas trabalhando nisso, mas isso não lhe dará uma vantagem.”

GR Super Sport Concept, o primeiro “hypercar” do WEC. (Foto: Divulgação)

“Essa é a parte inteligente – e única – dessas novas regras, você poderá ser competitivo em cada área do carro sem gastar muito dinheiro. Absolutamente, deve haver pouco ou nenhum ganho de desempenho ano após ano – os regulamentos foram escritos para concentrar-se na concorrência acirrada e não permitir grandes ganhos de desempenho.”

“Isso deve permitir que as equipes, se quiserem, corram um pouco tarde e ainda consigam pegar o trem! Com os carros atuais, isso teria sido muito difícil sem grandes orçamentos. Estávamos ganhando cerca de dois segundos (por volta) a cada ano, o que era uma tarefa muito grande para um novo participante. ”

Um dos diferenciais do novo pacote é que os sistemas híbridos dos fabricantes, podem ser comercializados para equipes privadas. Como a potência será “controlada”, esses times podem ter chances reais de vitória.

“Esta é a primeira vez que equipes privadas poderão comprar todos os elementos de um programa híbrido, além de serem competitivos”, acrescentou. “Eles realmente terão essa oportunidade, sem diferença de desempenho entre seus carros para as equipes de fábrica. Nós sempre pressionamos para que a tecnologia seja do mais alto nível, mas temos que aceitar que, no momento, a primeira prioridade é trazer mais competidores para o campeonato. Nós dissemos repetidamente que estamos aqui a longo prazo,” completou.

 

Published
3 semanas ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *