Sensor tira vitória do Toyota #7 em Le Mans

Pilotos do #8 fizeram uma comemoração discreta no pódio. (Foto: Toyota)

Não tinha como ser diferente. A Toyota venceu a edição 2019 das 24 Horas de Le Mans, prova disputada neste final de semana, na França. A vitória do time japonês era mais do que certa. Nenhuma equipe teve condições de vencer os dois TS050 na pista. Torcer para que os dois LMP1 japoneses quebrassem, ecoou nos mais diversos grupos em redes sociais.

Condenar somente a equipe, como muitos acabam fazendo, é a mesma coisa que falar mal do colega de escola que tira boas notas. Mesmo competindo “sozinha”, a Toyota seguiu a risca os regulamentos estipulados pela ACO, e foi isso. Com normas controversos, o futuro do Mundial de Endurance será interessante. Os hypercars, modelos baseados em super esportivos, ou em versões GT3 “anabolizadas”, levou a ACO contra o que sempre seguiu, protótipos.

Resultado final

Os custos e a insistência em aceitar equipes oficiais com sistemas híbridos, afugentou as equipes, erro que foi corrigido com os a nova regulamentação. Se vai funcionar? Só o tempo irá nos dizer. Toyota e a Aston Martin já confirmaram a participação na pujante classe, que também acolherá a McLaren.

A vitória do TS050 #8 dos pilotos Fernando Alonso, Sebastien Buemi e Kazuki Nakajima, foi mais uma vez cercada de suspeitas. Em nenhum momento durante a prova, o trio se mostrou melhor do que os companheiros do #7, Mike Conway, Pechito López e Kamui Kobayashi. O “drama” começou com duas paradas não programadas. Lopez assumiu a liderança da prova na 11° hora. Com uma vantagem mais do que confortável para o #8.

O diretor da Toyota, Pascal Vasselon, garantiu que o problema no sensor existiu, e que optou em trocar apenas o pneu “defeituoso”.  “A opção existe, mas você precisa mudar para um set que tenha feito quatro passagens, o que não é ideal quando você quer estar seguro”, disse ao site motorsport.com. “É por isso que colocamos apenas um pneu usado e não quatro. Quando o pneu está muito quente, é mais provável que tenha furos. É tudo sobre gerenciamento de risco”.

“Neste caso, teria sido muito melhor mudar todos os quatro, mas não é algo que você faz normalmente, porque você não quer fazer os últimos testes com pneus antigos”.

“Os pilotos #7 têm que aceitar o que aconteceu, mesmo que seja muito, muito frustrante para eles e para a equipe também”, disse Pascal Vasselon, chefe da Toyota

Faltando uma hora para o final, a equipe avisou o piloto que o pneu esquerdo traseiro, estava com problema no sensor de pressão. Assim foram duas paradas nos boxes, até que resolveram substituir o pneu. A diferença para o líder, Nakajima, passou para 16.972 segundos. O jogo estava ganho, com o título de campeão mundial para os pilotos do carro #8.

Na terceira posição e a seis voltas do líder, o protótipo da SMP Racing #11 dos pilotos Stoffel Vandoorne, Mikhail Aleshin e Vitaly Petrov completaram o pódio geral. A SMP e a Rebellion tiveram sua luta particular. Neel Jani, André Lotterer e Bruno Senna, chegaram em quarto com o Rebellion #1, depois de muitos problemas. O #3 sofreu um acidente.

SMP Racing foi a melhor equipe privada, terminando na terceira posição. (Foto: SMP Racing)

O número 1 da rebelião R13 Gibson de Neel Jani, Andre Lotterer e Bruno Senna chegou em casa em quarto lugar depois de uma corrida precoce, giro e viagem para a garagem, enquanto o carro nº 3 da irmã se recuperou de um acidente de Thomas Laurent no sétima hora.

O LMP também sofreu uma punição de três minutos na 17° depois de não utilizar pneus específicos. O SMP #17 abandonou na 11° hora depois de um acidente com o piloto Egor Orudzhev, que estava na terceira posição.

Problemas com a bomba de combustível fizeram o #4 da equipe ByKolles abandonar ainda no início. O BR1 da equipe DragonSpeed também abandonou depois de 76 voltas, com problemas no câmbio.

Alpine vence e conquista título na classe LMP2

Alpine vence na classe LMP2 e fatura o título. (Foto: Alpine)

O time francês assumiu a liderança com seis horas de corrida. Nicolas Lapierre, Pierre Thiriet e André Negrão foram impecáveis. Com o resultado Lapierre venceu todas as corridas que disputou na classe. O francês competiu na classe secundária em quatro ocasiões, vencendo todas as vezes, em 2015, 2016, 2018 e 2019.

A Alpine  terminou no pódio em todas as corridas do WEC desta temporada, apesar de vencer apenas uma vez, em Le Mans em 2018. A vitória veio depois de uma ultrapassagem de Negrão em cima do russo Roman Rusinov da equipe G-Drive Racing.

A equipe Jackie Chang DC Racing, principal adversário na luta pelo título, terminou na segunda colocação, na frente da equipe TDS Racing. O melhor Ligier aparece na quarta colocação, o #22 da United Autosports.

Brasileiros ajudaram suas equipes a vencer nas classes GT

Ferrari vence na classe GTE-Pro. (Foto: Ferrari Races)

Na classe GTE-Pro, Alessandro Pier Guidi, James Calado e Daniel Serra, venceram com a Ferrari #51 da AF Corse. A Porsche levou o título da classe com Kevin Estre e Michael Christensen, mesmo terminando na 10° posição.

Pier Guidi fechou a prova com uma diferença de 49 segundos à frente de Gianmaria Bruni no Porsche #91 que dividiu com Richard Lietz e Frederic Makowiecki.

A Ferrari vencedora liderou a maior parte do final da temporada do WEC, e assumiu a liderança depois de um período de segurança por volta a meia-noite.

Tanto o #51 quanto o Porsche #92 foram apanhadas por um safety car separado para o resto da classe, estabelecendo uma diferença de dois minutos entre os líderes e o pelotão.

No entanto, o  #92 saiu da disputa por problemas no sistema de escape, forçando uma parada de 20 minutos na manhã de domingo. Isso deu à Ferrari uma vantagem confortável, embora sua liderança tenha sido gradualmente corroída pelo Chevrolet Corvette C7.R de Jan Magnussen, Antonio Garcia e Mike Rockenfeller nos próximos períodos.

Com seis horas restantes, a Ferrari e o Corvette estavam envolvidos em uma série de trocas de posições, devido às suas estratégias. A equipe do AF Corse foi novamente agraciada quando Magnussen rodou  nas Curvas de Porsche na Hora 21, o que forçou o Corvette a gastar seis minutos nos boxes para reparos e checagens.

Isso tirou o C7.R da liderança, jogando Garcia ficou em sétimo lugar. Bruni chegou para terminar em segundo depois de uma longa batalha entre o #91 e o #93 no domingo.

Depois de negociar muito nas ultrapassagens o #91 conseguiu avançar nos últimos períodos para terminar 17 segundos à frente dos pilotos Nick Tandy, Earl Bamber e Laurens Vanthoor.

O quarteto de Ford GTs da Ford Chip Ganassi Racing ocupou as quatro posições seguintes, com o # 68 terminando um minuto do #67. Onze dos 17 carros inscritos no GTE-Pro terminaram à frente do campo GTE-Am, enquanto outros foram afetados por incidentes e outros problemas.

Ford GT vence em sua estreia na classe GTE-Am. (Foto: Divulgação)

O Corvette #64 abandonou na sexta hora, quando Marcel Fassler bateu nas curvas Porsche depois de tocar no Porsche da Proton que competiu na classe GTE-Am.

Os outros dois carros da Ferrari tiveram corridas complicadas. O #71 teve problemas no motor, enquanto a Rizi Competizione não fez uma boa apresentação. Os carros da Aston Martin também fizeram uma prova complicada. Alex Lynn bateu nas Curvas da Porsche com o #97, terminando na 13° posição, enquanto o #95 bateu com Marco Sorensen na curva de Indianápolis. A BMW que disputou sua última corrida no WEC, terminou na 12° posição com o M8 #82.

Na classe GTE-Am, o Ford da equipe Keating Motorsports, venceu com o modelo GT depois de enfrentar problemas na duas horas finais da prova. A direção da prova obrigou a equipe a trocar o para-choque do carro.

A equipe contou com a ajuda dos mecânicos da Ford, para conseguir encaixar a peça. Quatro mecânicos da equipe do Ford trocaram a frente do carro em cerca de 30 segundos. Além dos problemas com a carenagem, a equipe ganhou uma punição por girar as rodas na saída dos boxes.

Ben Keating pilotou o GT ao lado de Felipe Fraga e Jeroen Bleekemolen. Na segunda posição o Porsche da equipe Project 1. A Ferrari da JMW Motorsports completou o pódio.

*Com informações dos sites motorsport.com e sporscar365.com

Published
1 mês ago
Categories
24 Horas Le Mans
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *