Rebellion estuda competir com um protótipo na próxima temporada do WEC

(Foto: Divulgação)

A equipe Rebellion Racing avalia a possibilidade de alinhar apenas um carro na próxima temporada do Mundial de Endurance, e um segundo somente em Le Mans. Tudo depende dos recursos que a equipe conseguir angariar.

De acordo com o CEO da Rebellion, Calim Bouhadra, os recursos precisam estar disponíveis.  “É muito cedo para falarmos, mas eu diria que é 50-50″.

“Então, não, não temos certeza se temos dois carros, mas também depende de muitos fatores”, disse em entrevista o site sportscar365.com.

“Esta não é apenas a questão da EoT, mas também o orçamento, porque temos que pensar no futuro agora com os novos regulamentos e pensar sobre o que queremos fazer daqui a dois anos”.

“Definitivamente teremos um carro e, se pudermos ter o orçamento esperado, validaremos o segundo carro.”

Uma das novidades para tentar equiparar modelos híbridos com equipes privada é o lastro e sucesso, que entra em vigor na próxima temporada, além do EoT da classe principal.

“Nós estamos há 12 anos em corridas de endurance”, disse Bouhadra. “Nós fizemos o trabalho com perseverança e trazemos os privados para o nível que eles são”.

“Mas também precisamos de ajuda, dos regulamentos, para ter mais concorrência. No passado, levamos gastamos muito com orçamento para tentar manter a equipe no alto nível”. Disse.

Dos atuais pilotos da equipe, Thomas Laurent, virou piloto de testes da Toyota, Neel Jani irá para a Fórmula E e André Lotterer não definiu seu futuro.

A equipe ainda não definiu seu futuro com os hypercars. Bouhandra, se mostrou reticente. “Preferimos o sistema DPi porque é mais realista, pelo orçamento para nós”, disse ele. “Agora, vamos descobrir com os regulamentos [Hypercar], é muito difícil, mas vamos tentar fazer isso”.

“Nosso objetivo agora é encontrar um fabricante e fazer uma parceria com um fabricante e tentar obter a boa associação. É absolutamente apenas uma questão de orçamentária”.

“Não fazemos carros. Se queremos torná-lo relevante, porque eles estão começando a dizer que o orçamento para o supercarro está em torno de € 30 a 40 milhões, então é muito. Isso é obviamente algo que não podemos ter.”

O dirigente não descarta comprar um modelo da Aston Martin, bem como conversa com outro fabricantes.

“Nós tivemos discussões com alguns fabricantes e, da mesma forma como isso, para encontrar esse hypercar, podemos nos juntar a essa marca e tentar continuar a história da Rebelião com eles”, finalizou Bouhadra.

Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *