Pascal Vasselon da Toyota: “Estamos em um nível de potência que é quase crítico”

Rebellion mostrou um desempenho promissor em Fuji. (Foto: Rebellion Racing)

A comemoração de mais uma vitória da Toyota no Mundial de Endurance, por parte dos integrantes da equipe japonesa. Vencendo de maneira ininterrupta desde a etapa de Fuji em 2017, tirando a desclassificação em Silverstone em agosto passado. 

O Handicap de sucesso que “pune” o vencedor com restrições de peso e potência, já demonstrou que poderá ser um dos diferenciais  da temporada. Nas primeiras voltas da etapa de Fuji, disputada neste final de semana, o LMP1 da Rebellion Racing teve um desempenho no mesmo patamar do Toyota #7.  

Com o resultado os dois protótipos japoneses estarão ainda mais lentos. O diretor técnico da Toyota, Pascal Vasselon, está preocupado com o que encontrará em Xangai. “Xangai será muito difícil para nós, porque teremos mais uma etapa de desvantagens.A Rebellion deve ser um forte desafiante para a pole e também na corrida”, disse em entrevista ao site motorsports.com. 

Sebastien Buemi, vencedor no Japão, ao lado de Kazuki Nakajima e Brendon Hartley, também acredita no potencial da equipe suíça. “Mais cedo ou mais tarde, a Rebellion e talvez Ginetta sejam mais rápidos que nós”, disse ele. 

“Iremos a Xangai mais lentos e, em algum momento, se eles não cometerem erros, eles vão nos derrotar. Acho que poderia ser em Xangai”, explica. 

Vasselon explicou após a corrida de Fuji a redução no combustível permitido ao TS050 e na energia híbrida que ele pode implantar agora está dificultando os pilotos da Toyota ultrapassar os protótipos LMP2 nas retas.  

“Estamos em um nível de potência que é quase crítico”, disse ele. “Hoje conseguimos passar os LMP2s, mas apenas.” Os dois Toyotas serão igualmente penalizados em Xangai após cada vitória, um segundo lugar e uma pole position nas duas rodadas do WEC até agora nesta temporada. 

A nova versão do handicap de sucesso será baseado na diferença de pontos do campeonato para o carro mais baixo na classificação. Os carros são penalizados por um determinado período de tempo por ponto, até um máximo de 40, multiplicado pelo comprimento da pista em quilômetros. 

As sanções para Xangai ainda não foram publicadas, mas os Toyotas devem ser penalizados em 2,5s por volta, enquanto o Rebellion #1, que terminou em terceiro em Fuji nas mãos de Bruno Senna , Norman Nato e Gustavo Menezes , deve ser retardado por um segundo.

Os valores exatos dependerão do coeficiente usado para fazer os cálculos. Isso foi anunciado inicialmente como 0,008s por ponto, mas foi aumentado para 0,012s depois que a diferença entre a Toyota e os privados se mostrou maior do que o esperado na abertura da temporada em Silverstone, em setembro.

Após o treino classificatório de sábado, Vasselon se mostrou surpreso pela Rebellion não ter conquistado a pole, já que estava mais rápida em reta. A explicação foi que o protótipo montado sob um chassi Oreca, sofreu com as temperaturas mais quentes, algo incomum na área do circuito. 

As duas opções de pneus que a Michelin trouxe ao Japão eram um composto macio e a Rebellion considerou que teria sido mais competitivo se o composto médio estivesse disponível.

Isso foi confirmado pelo ritmo do solo R-13 nos estágios finais da corrida, quando as temperaturas caíram quando Gustavo Menezes igualou os tempos dos protótipos da Toyota.

Published
2 meses ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *