Para diretor da IMSA, existe “interesse genuíno” em unificar classes com a ACO para 2020

Em um futuro próximo, fabricantes como a Cadillac podem estar participando do WEC. (Foto: José Mário Dias)

Em um futuro próximo, fabricantes como a Cadillac podem estar participando do WEC. (Foto: José Mário Dias)

A fusão entre a classe LMP1 do Mundial de Endurance e a DPi da IMSA ganhou mais um capítulo nesta segunda-feira, 25. O diretor da IMSA (que também dirigia a ALMS) Scott Atherton deixou claro que existe um “interesse genuíno”, em discutir regras comuns para o ano de 2020.

O dirigente relatou ao site sportscar365.com que uma possível integração de motorizações híbridas, podem ser um ponto da nova geração de protótipos DPi. Essas afirmações vão de encontro com os novos regulamentos da ACO, que equiparam os protótipos híbridos dos sem o sistema de recuperação de energia.

Com a desistência da Porsche, o Mundial de Endurance pode perder projeção, sem dois grandes fabricantes na principal classe. Em contrapartida, a IMSA vem adicionando ao seu plantel novos fabricantes como a Honda, que iniciou parceria com a equipe Penske.

“Vemos que, como organização, é positivo se pudéssemos trazer os livros de regras juntos e ter uma categoria de protótipo superior na América, no nosso Weathertech, para podermos disputar corridas no WEC e em Le Mans. Há um interesse genuíno em ambos os lados da equação, ACO e IMSA, para fazer isto acontecer. ”

Equipes como McLaren e Ford já esboçaram interesse em desenvolver projetos LMP1/DPi, que possam ser utilizados nas 24 horas de Le Mans, Daytona e Sebring. Atherton deixou claro que existem planos de ampliar a série.

“Se você é capaz de olhar para os anos 2020/2021, eu acho que só serviria para acelerar e atrair outros fabricantes que não estão envolvidos atualmente”, disse ele. “Esse é o objetivo final.”

A principal diferença entre os interesses das duas entidades é a motorização híbrida. A FIA/ACO deixam claro que não vão abrir mão da tecnologia. Por outro lado, a IMSA diz estar aberta a esta possibilidade, desde que seja rentável e acessível para as equipes.

“As regras atuais da classe LMP1 estão insustentáveis. Precisa se basear em algo prático de fácil disponibilidade, acessibilidade e sustentabilidade.”

“Do ponto de vista da IMSA, não é uma questão de se, mas quando os sistemas híbridos se tornem parte de tudo o que estamos fazendo”, disse Atherton.

“Se você olhar para todos os principais fabricantes de automóveis, eles estão ou falando de um lineup híbrido de veículos ou um lineup totalmente elétrico, em um futuro não muito distante, 2025, 2030.”

“Eu acho que todas as formas de automobilismo precisam estar cientes de que se você não se encontrar um conjunto de regras fora de sincronia com a aplicação prática nos automóveis de passeio, vai estar fora dos olhos do consumidor. ”

O velho debate entre a equiparação de equipes privadas e oficiais vem desde as motorizações a diesel adotadas pela Peugeot e Audi. Agora o ponto de debate é o sistema híbrido com os motores à combustão. Para o dirigente, a equiparação proposta pela ACO é viável.

“Na superfície, isso soa atraente”, disse ele. “Soa como um bom ajuste para o que é hoje. Neste momento, não temos uma fórmula que exige tecnologia híbrida nos protótipos. Se você está falando sobre a próxima geração, e vendo o que está acontecendo ao nosso redor, parece o próximo passo lógico. ”

Atualmente quatro fabricantes estão envolvidos de forma oficial na classe DPi da IMSA: Cadillac, Mazda, Nissan e Acura. Para Atherton, a classe é atraente para os fabricantes, pois tem um custo mais acessível do que a LMP1 atual. “Eu acho que a DPi provou ser uma oportunidade atraente para os fabricantes”, disse ele.

“Achamos que os carros estão entregando o que os fãs querem. Eles têm uma singularidade visual. Suas motorizações estão gerando excelentes resultados competitivos, embora de maneiras diferentes. ”

“Há um nível de acessibilidade, como resultado do uso de quatro construtores, kits de carroçaria são permitindo que os fabricantes possam utilizar seus motores. Olhando para a frente, a partir de nossa perspectiva, uma evolução do que é DPi de hoje seria ideal. ”

As atuais regras da classe DPi perduram até 2020. “Nosso compromisso com nossos construtores DPI é inabalável, de modo que nos leva até a temporada de 2020. ”

“Isso poderia ser esse cenário ótimo pois pode manter elegíveis os DPi existentes, mas também permitir a especificação de próxima geração em ciclo. Mas tudo isso é especulativo. ”

Os regulamentos finais da classe LMP1 devem ser findados até o final deste ano. Atherton esclarece que novidades devem aparecer nas próximas semanas. “A visão da nossa perspectiva, seria um processo conjunto”, disse ele. “Se o objetivo é ter regras comuns, em seguida, ambas as partes precisam estar envolvidas ativamente na elaboração. ”

* Com informações do site sportscar365.com

Published
3 meses ago
Comments
Comentários
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.