OAK Racing e Greaves Motorsport analisam sua participação em Daytona e no USRC

Dagys_-2013_32233.jpg_thumb-25255B2-25255D

O cenário do Endurance dos EUA caminha para ser um dos protagonistas ano que vem. A unificação da ALMS com a Grand-AM resultou além é claro de uma grande variedade de carros a quantidade e principalmente qualidade dos circuitos para 2014.

Já foi anunciado que Sebring, Daytona e Road Atlanta farão parte do calendário e essas três somadas a pistas como Laguna Seca e Road América trazem uma enorme variedade de traçados e situações que hoje não existem mais na Europa.

A OAK Racing que lidera a classe LMP2 no mundial de Endurance é uma dessas equipes que planeja competir nos EUA ano que vem, faltando apenas uma maior clareza por parte das regras entre LMP2 e DP.

São todos os regulamentos que precisamos, não apenas os regulamentos da classe P2,” Questiona o diretor da OAK Racing Sebastien Philippe. “Precisamos saber o que está acontecendo com os carros DP e quais as mudanças que vão fazer nesses carros. Porque vamos competir contra eles, de modo que precisamos saber antes de tomar decisões. “

O Morgan da equipe Conquest Racing foi o primeiro LMP moderno a testar em Daytona e além de uma eventual participação vários clientes estão esperando a regulamentação ser definida para decidir o que fazer.

“Para nós, mas também para os nossos clientes, porque há muitas pessoas esperando essa definição”, disse Philippe. “Eles não tem certeza de onde ele estão indo. Todo mundo está esperando. O problema é que leva tempo para construir carros e estamos quase ficando sem tempo agora. Este é um dos principais problemas. É uma pena, porque eu acho que todo mundo quer competir ali. É realmente um bom campeonato, com corridas muito agradáveis. Mas há também muitos pontos de interrogação no momento e que está em ambos os lados. Para as equipes dos EUA, é a mesma situação. Nós falamos com algumas pessoas que estão sendo competindo com os modelos DP e que nem sabem o caminho que devem seguir. ” Conclui.

Outra equipe que também espera uma definição é a Greaves Motorsports. Para Tim Greaves é inviável as alterações para forçar os DPs serem tão rápidos quanto os LMP2.

“Para mim, é surreal tentar  forçar os DPs a serem mais rápidos, ou do que os P2″, disse Greaves. “No primeiro ano, eles devem ficar um pouco a frente dos GTs e seguir em frente a partir daí. Caso contrário, as equipes irão optar pela LMP2 o que pode sair caro. Mudar custa muito dinheiro. E não é o custo da mudança, mas o custo de treinos para comprovar estas alterações.”

Fonte: Sportcar 365.com

Published
6 anos ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *