Lucas di Grassi e Jens Marquardt falam sobre o futuro do WEC

Para diretor da BMW, classe GTE deve ter um maior protagonismo em 20118. (Foto: ELMS)

Para diretor da BMW, classe GTE deve ter um maior protagonismo em 2018. (Foto: ELMS)

Os rumos que o Mundial de Endurance vai tomar nos próximos anos, ainda é uma incógnita. Depois da desistência da Porsche, se botou em xeque o futuro da série. Mesmo com várias equipes privadas confirmadas para o próximo ano, um fabricante como a Porsche fará falta.

Ao contrário do ceticismo de muitos sobre os rumos da série, é notório que algo precisa mudar. Voltando ao Mundial em 2018, a BMW por meio do seu diretor Jens Marquardt, acredita que a classe GTE-PRO terá uma papel de destaque, em relação a classe LMP1.

Para o diretor a mudança tanto da Porsche, quanto da Mercedes para a Fórmula E, mostra que o cenário do automobilismo está mudando. “É triste que em uma semana tivemos dois anúncios que não são positivos para o desporto motorizado em geral”, disse Marquardt ao site  Sportscar365. “Ao mesmo tempo, muitas vezes, quando algo está mudando, há uma oportunidade.”

“Porsche, ao mesmo tempo destacou que vai fortalecer seu programa GT, o que é ótimo. Estamos entrando na classe GTE-PRO e estamos felizes em lutar contra os caras de Zuffenhausen e Weissach.”

“Eu acho que,  isso fortalece a categoria e espero que mostra quão atraente é. Existem muitos fabricantes que têm carros GT que ainda não possuem versões GTE. Eu acho que definitivamente há uma boa chance da classe GTE, se tornam mais visível.”

Outro fabricante que olha a classe GTE, com mais afinco do que a LMP1 é Giorgio Sanna, diretor da Lamborghini. O dirigente já deixou claro que pensa em alinhar seus carros na classe, acredita que o protagonismo da classe é algo concreto. “Pode ser que os GTs vão se tornar os protagonistas de Le Mans ou no WEC”, disse. “Também seria uma boa dinâmica para todos os fabricantes envolvidos em corridas de GT.”

“Não podemos esquecer que LMP2, em termos de mercado, estão indo bem. Havia muitos carros em Le Mans.”

“Mas é claro, a fim de ter um big show, você precisa de drivers de fábrica e equipes de fábrica no envolvimento e hoje isso não é possível na classe LMP2. Então, alguma coisa tem que acontecer.”

A BMW vai competir contra a Aston Martin, Ferrari, Ford, Porsche e a Corvette em Le Mans. Mesmo com tantos fabricantes, Jens acredita que a classe LMP1 deve ser a principal, e aposta na inclusão dos DPi como alternativa. “Eu honestamente acho que o passo que foi feito com os LMP2 foi uma boa para os protótipos”, disse Marquardt.

“Vendo os dois conceitos, o conceito DPi nos EUA e o conceito LMP2, é algo que precisa ser discutido”.

“Vale a pena o ACO observar o que acontece nos EUA porque há fabricantes envolvidos. Eu acho que eles estão no mesmo nível dos GTE”.

Lucas di Grassi acredita que mudanças são necessárias

Se por um lado, os fabricantes estão cobrando mudanças e custos, para os pilotos a situação também é preocupante. Atual campeão da Fórmula E, Lucas di Grassi, que foi piloto da Audi também no WEC, afirma que algo precisa mudar para manter a série atraente.

“A indústria automobilística tem de mudar, pelo menos parte dela, de combustão para o elétrico. Então porque não criar uma série que promova a tecnologia das corridas elétricas e tecnologia elétrica em geral?”, Disse di Grassi.

“É claro que os fabricantes vão levar algum tempo para entender o projeto e a série. Os parceiros são fortes, a atenção da mídia está lá. Eles vêem o futuro: eles têm que mudar para modelos elétricos em um determinado ponto. É por isso Fórmula E é tão bem sucedida”.

“Para mim, o WEC tem um futuro brilhante, e especialmente Le Mans, mas eles têm de se adaptar. Le Mans na minha opinião seria o último desafio para um carro elétrico, a vencer uma longa distância depois de  24 horas, seria incrível”.

“Mas eles podem continuar com muitas maneiras diferentes, eles têm que se adaptar, eles têm de reduzir os custos, eles têm de reduzir a complexidade.

“Com certeza, haverá espaço para corridas de GT, para corridas de LMP se os regulamentos estiveram no caminho certo. Estou muito contente que os fabricantes estão se juntando a Fórmula E, mas acho que no mercado há vários fabricantes e oportunidades de corrida para todos.”

* Com informações do site sportscar365.com

Published
3 meses ago
Comments
Comentários
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.