Kamui Kobayashi e Kazuki Nakajima, o lado oriental do Mundial de Endurance

A dupla que descobriu no endurance o sucesso. (Foto: Toyota)

A próxima etapa do Mundial de Endurance acontece no circuito de Fuji no Japão no próximo dia 14 de outubro. Em um campeonato tão diverso como o WEC, dois nomes se destacam, Kamui Kobayashi e Kazuki Nakajima, pilotos da equipe Toyota.

“Koba” como é carinhosamente chamado, teve uma passagem conturbada pela Fórmula 1. Suas ultrapassagens nem sempre bem sucedidas e seu arrojo, lhe deram um mantra comum aos pilotos nipônicos, pouco talento e muita confusão.

Foi campeão da GP2 Asia Series em 2009. O sucesso lhe rendeu a uma vaga como piloto de testes na equipe Toyota, quando esta ainda buscava sucesso na cansativa Fórmula 1. Estreou oficialmente na categoria em 2012 pela equipe Sauber. Não fez feio! Foi o primeiro piloto japonês a subir no pódio de um grande prêmio, na sua casa em Suzuka. É de Kobayashi o recorde de pontos de pilotos japoneses que competiram na F1 com 125 pontos, em 75 GPs disputados. Deixou a categoria em 2014.

Koba e sua pole em 2017. (Foto: Toyota)

Um ano antes, já sentia o gostinho do que seria seu futuro. Ao lado de Toni Vilander, competiu na classe GTE-PRO do Mundial de Endurance pela AF Corse. Conquistou quatro pódios. Com a aposentadoria de Alexander Wurz, ocupou seu lugar na equipe Toyota em 2016.

Venceu sua primeira corrida em Fuji ao lado de Mike Conway, e José María Lòpez. No ano seguinte o simpático piloto marcou o melhor tempo no treino classificatório. Com 3:14.479  o tempo não deve ser batido tão cedo. Em 2018 sem compatriota, Kazuki Nakajima marcou 3:15.377.

Popular no japão o piloto conseguiu 8 milhões de Euros por crowdfunding, quando sua permanência na F1 estava ameaçada. Hoje deve agradecer por não ter atingido a meta. Quando criança sonhava em ser comediante. O “pouco” talento foi suficiente para investir no kart. Com um plano B em todos os momentos da vida, Kobayashi iria tentar a sorte como cheff. O mundo perdeu provavelmente bons pratos, mas ganhou um piloto talentoso.

Kazuki Nakajima desde o começo

Nakajima é outro exemplo de que existe vida além da Fórmula 1. Esteve na categoria entre 2007 e 2009, representando a equipe Williams. Conquistou apenas nove pontos, ficou conhecido por atropelar dois mecânicos da equipe. O sobrenome é famoso. Kazuki é filho do ex-piloto da categoria, Satoru Nakajima.

Foi escolhido pela Toyota para ingressar no WEC, estando com a equipe desde a primeira prova em 2012. Sendo um dos poucos pilotos a competir na categoria desde sua fundação, conquistou nove vitórias, começando sua jornada em Le Mans naquele ano.

A decepção em 2016 e a vitória em 2018. Aprendizado. (Foto: Divulgação e Toyota)

A escolha pelo endurance surtiu efeito. Venceu em Fuji, casa da Toyota ao lado de Alex Wurz e Nicolas Lapierre em uma prova marcada pelo tufão que assolou a região do circuito. Seu talento garantiu para a Toyota em 2014 a primeira pole em Le Mans desde 1999.

O dito popylar, “A dor educa,” foi vivenciada pelo piloto com todas as forças em 2016. Nakajima teve que abandonar com problemas no turbo do seu TS050 #5, na última volta da prova.

Como tudo parece acontecer a cada dois anos, o piloto entrou para a história (desta vez da forma correta) ao vencer a grande clássica ao lado de Fernando Alonso e Sébastien Buemi.

Kazuki nunca se preocupou com a pressão por ter um pai famoso. Repetiu seus feitos vencendo  A Fórmula Nipônica / Super Fórmula em 2012 e 2014, além de competir na F1. Também venceu no Super GT. Seu irmão mais novo, Daisuke segue os passos do pai e irmão, conquistando vitórias na Super Fòrmula e Super GT.

Outros dois representantes japoneses estarão participando da etapa de Fuji. A equipe MR Racing do Japão terá Motaki Ishiawa e o frances Julien Andlauer, que estarão a bordo da Ferrari #70. De Singapura vem a Clearwater Racing com a Ferrari #60 para os pilotos Keita Sawa e Weng Sun Mok natural de Singapura.

Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *