Continuação de “A Pequena caixa de Gwendy” de Stephen King e Richard Chizmar será lançado em novembro

Continuação de “A Pequena caixa de Gwendy” de Stephen King e Richard Chizmar será lançado em novembro

27 de junho de 2019 0 Por Fernando Rhenius

O que aconteceu com Gwendy Peterson, a jovem protagonista de A Pequena Caixa de Gwendy? É o que descobriremos em Gwendy’s Magic Feather, em uma tradução livre, O pai mágico de Gwendy, que será lançado nos Estados Unidos no dia 19 de novembro. 

Escrito inteiramente por Richard Chizmar, que dividiu com Stephen King o primeiro livro, A história traz Gwendy 25 anos depois dos acontecimentos dos acontecimentos do primeiro livro. 

Os eventos também acontecem em Castle Rock, cidade fictícia criada por King, antes do eventos narrados em A Hora da Zona Morta, A Metade Sombria, Trocas Macabras e 15 anos antes de O Corpo, conto presente no livro Quatro Estações. Personagens de outros livros também estarão na história como o xerife Norris Ridgewick, de Trocas Macabras que agora é o responsável pela polícia de Castle County. 

Em entrevista ao site Entertainment Weekly, Stephen King, ajudou Richard na produção do livro como editor. “Eu estava muito curioso para ver Gwendy crescida e estou muito satisfeito com o resultado. Eu acho que os leitores também estarão”, disse King. “Especialmente quando a caixa faz um misterioso reaparecimento.”

(Foto: Divulgação)

Em a Pequena Caixa de Gwendy, uma menina de 12 anos recebe de presente de um homem, uma caixa com vários botões, que dá uma pequena fortuna e desejos para que a possui e resolve todos os seus problemas. Por outro lado, causa destruição em outros lugares.

Richard, em entrevista ao site EW, conta que teve um sonho com a ideia de continuar o livro e mandou um e-mail para King. “Mandei um e-mail para ele e apenas disse: “Hey, eu vi Gwendy muitos anos depois, e ela é um membro do Congresso, morando em DC, e a caixa de botões aparece de novo”. E eu apenas olhei para o e-mail que ele mandou de volta. Ele disse: “Essa é uma ideia legal, muito legal”, disse. 

Confira a entrevista completa. 

Mas ele não queria escrever o livro sozinho? 

“Ele disse: “Vou passar o futuro previsível com Holly Gibney [uma personagem em seus romances de Mr. Mercedes e The Outsider, que é um personagem importante em seu mais novo livro], mas você deve escrevê-lo.”

Ele ofereceu algumas idéias e insights? 

“Ele se sentou e leu. E então, maravilhosamente, generoso Steve fez uma edição de linha para mim. Ele passou por página por página. E eu tinha meu autor favorito, o best-seller Stephen King, como meu editor.”

Isso foi uma experiência assustadora, sendo editada por um autor que você conhece e admira? 

“Ele ficou tipo: “Isso é o que eu faço nos meus próprios manuscritos, então não se preocupe”. Ele me preparou para muita tinta. E para ser honesto, eu disse a ele: “Isso é tremendo. Eu concordo com 95% disso ”, e não era muita tinta. Eu tive muito mais tinta em manuscritos quando passei por isso sozinho. Mas, novamente, naquele segundo eu sabia que Steve não iria limpar minha bagunça. Eu realmente me concentrei”.

Que tipo de notas ele deu? 

“Muitos deles são muito positivas e, mais uma vez, o típico Steve, muitos deles são muito engraçadas”. 

Quando vimos pela última vez Gwendy, ela pensou que poderia ser uma escritora. 

“Como o primeiro capítulo diz, se alguém tivesse perguntado a Gwendy até 18 meses antes se ela achava que ela estaria vivendo e trabalhando em DC, servindo ao povo americano e ao estado do Maine, ela teria dito: “Não, você está louco. Mas é o caminho que a vida dela tomou. Ela luta neste livro novamente com o quanto de sua vida, e todas as coisas boas que aconteceram com ela, são dela – e quanto ainda está vindo daquela caixa de botões”.

A caixa de botões poderia ter sido uma fonte de maldade real. Quanto mais ela pressionava esses botões, mais horrores ela desencadeou no mundo. 

“Sim”.

Então, está mostrando-a como alguém que aprendeu a exercer o poder com responsabilidade? 

“Eu acho que sim. King e eu conversamos sobre isso com o primeiro livro, onde talvez tenha sido colocado nas mãos da pessoa perfeita, porque ela tinha um bom coração, ela tinha uma boa consciência e tinha a inocência da juventude, então suas tentações eram muito menores do que se ela fosse adulta e envolvida nesse mundo complexo, que é o que ela é agora”.

Por que a caixa retorna para ela? 

“É com isso que ela luta. Por que a caixa voltou para mim? Richard Ferris o homem do chapéu preto disse que eu nunca mais o veria ou a caixa. Então, por que agora?”

O que mais devemos saber sobre a história? 

Ele começa  em DC, em dezembro, pouco antes do intervalo de três semanas do congresso para os feriados. É quando a caixa do botão aparece”.

Há quanto tempo ela está no Congresso? 

Gwendy tem 11 meses no trabalho, ela está um pouco azeda. A realidade deu um tapa na cara dela. Ela está tentando fazer as coisas, tentando manter a atenção das pessoas, tentando fazer as coisas certas. Então ela está em uma situação difícil, e parte de sua esperança está se esvaindo. Então a caixa aparece, e ao mesmo tempo houve apenas um segundo rapto de uma jovem em Castle Rock”.

E ela fica envolvida nisso? 

“Ela vai para casa para as férias de três semanas e nós passamos o Natal e Ano Novo em Castle Rock. Conhecemos sua família novamente e ficamos sabendo exatamente onde ela esteve na última década e meia. E ela está envolvida no que está acontecendo com essas garotas sequestradas. Uma terceira garota é levada enquanto ela está lá, e sua participação é essencial para resolver o que acontece”.

É cerca de uma década depois de Trocas Macabras , e vejo Norris Ridgewick como parte do caso. Ele foi promovido? 

“Sim, Norris está de volta e um punhado das pessoas da cidade está de volta. E há uma conversa sobre a história sombria de Castle Rock,  não apenas o que aconteceu em Trocas Macabras , mas também o Castle Rock Strangler de A Zona Morta , e o que aconteceu com o xerife anterior e algumas pessoas da cidade, Cujo…”

Como King gostava de ver seus personagens? 

“Eu pensei que ele ia me dizer: “Rich, isso é ótimo, mas basta colocá-lo em uma gaveta em algum lugar, porque eu não posso ter você escrevendo sobre a minha cidade.” Mas ele leu, e eu vou salvar o e-mail que eu Tenho para os meus filhos, porque  era como, “Foi um deleite para ler sobre o meu povo e meu lugar através dos olhos de outra pessoa.”

Resenha: A Pequena Caixa de Gwendy de Stephen King e Richard Chizmar