IMSA muda método de ajuste de BoP

IMSA BoP

(Foto: Divulgação)

Sempre questionável, o BoP da IMSA foi atualizado para a temporada 2019 da série. A partir deste ano os dados fornecidos pelos fabricantes serão transformados em “tempos de voltas ponderados”, para cada carro em cada pista.

O diretor sênior da entidade, Geoff Carter, explicou que os fabricantes devem fornecer estatísticas de cada carro para 10 km de peso e 7,5 kW de potência, para cada setor da pista, com uma média formulada e levada em conta em cada balanço de performance.

Um ajuste de BoP baseado em uma média de duas corridas será implementado se um carro estiver fora da janela de desempenho definida, com uma variação máxima de 20 kg e +/- 3% de potência permitida por corrida.

“Esta é a estrutura que todos os fabricantes concordaram e vamos tentar isso”, disse Carter Sportscar365.

É uma evolução para o nosso processo. O que estamos fazendo é colocar uma estrutura mais compreensível no lugar. Agora é bem direto. Aqui estão os limiares, magnitudes e frequências.”

“Estamos tentando tirar um pouco da pressão do comitê técnico por ter alguma estrutura delineada e dar um pouco mais de transparência e compreensão aos fabricantes para a consistência de como ela está indo.”

O objetivo é ter menos mudanças no BoP durante a temporada. O sistema vai permitir que os técnicos da IMSA possam fazer mudanças, quando julgarem necessário. Os fabricantes estavam reticentes em um processo 100% automatizado, nos mesmos moldes da classe GTE-PRO do WEC.

Para as 24 Horas de Daytona, um BoP específico será utilizado, nas três classes. Dados das corridas “normais” serão considerados na hora dos ajustes. Os ajustes deste ano serão baseados no dados do final de 2017.

“Nós criamos o nosso BoP inicial para o Roar com base na análise pós-corrida corrigida de 2018 do Rolex 24, usando as sensibilidades acordadas”, disse ele. O novo sistema deve entrar em vigor nas 12 Horas de Sebring em março.

“Queremos melhorar o sistema”, disse ele. “Nossos fãs, nossos fabricantes, nossos concorrentes, todos eles merecem corridas melhores. “Eu, Simon Hodgson, VP de Competição da IMSA e toda a comissão técnica, sentamos e dizemos como podemos melhorar. A única maneira de descobrir como melhorá-lo é ser auto crítico a respeito de onde éramos deficientes.” Concluiu.

Published
1 semana ago
Tags
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *