IMSA inicia estudos para sistemas híbridos em protótipos DPi

 

(Foto: Divulgação)

Sistemas híbridos estão cada vez mais perto dos protótipo da IMSA. A entidade americana se reuniu com fabricantes para discutir como irá implementar sistemas híbridos nos futuros protótipos DPi. 

Em entrevista ao site motorsports.365.com., o presidente da IMSA, Scott Atherton, o ponto inicial é a escolha da potência das baterias.  As equipes desejam que as baterias sejam de baixa voltagem, algo em torno de 48 volts, bem como uma opção de tensão mais alta na faixa de 100-400 volts que resultaria em aumento da potência elétrica.

Em comparação, os híbridos LMP1 de geração atual têm sistemas de 800 volts, enquanto o carro Gen2 Formula E tem uma tensão de pico de 900V.

“Mesmo que tudo o que foi apresentado e discutido na última reunião que tivemos em Mid-Ohio, nada foi apresentado de uma forma que diria que isso é para onde estamos indo”, disse Atherton disse Sportscar365. “A informação que foi fornecida puramente como um pensamento inicial. Ouvimos todos, alguns mais do que outros, sobre quais são seus desejos”.

“Estamos muito conscientes do fato de que esses regulamentos, que serão lançados em janeiro de 2022, terão uma homologação de cinco anos. Isso nos leva a 2027”.

Entre os fabricantes que participaram da reunião, a Ford, fez pressão para uma sistema de 300-400 volts, resultando em uma potência de 75 kW ou, 100 cv de potência. Mark Rushbrook, diretor da Ford Performance, afirma que o tipo de baterias escolhidas, irá determinar a entrada da montadora na competição. 

“Estamos muito interessados ​​nos DPi 2.0”, disse Rushbrook. “Nós somos da posição, eu acho que foi declarado, que estamos procurando por tecnologia relevante. Para nós, trata-se de um sistema de maior voltagem ou maior potência, que tem o potencial de implementar o DPi 2.0″.

Enquanto isso, o diretor da BMW Motorsport, Jens Marquardt, concordou com Rushbrook em que um sistema de 48 volts é provavelmente “muito curto” para a IMSA nesta fase. “Não precisa ser altamente sofisticado, mas acho que há até mesmo sistemas comuns disponíveis, se você olhar para sistemas híbridos plug-in que nós, como fabricantes, operamos”, disse Marquardt.

“Eu acho que você pode encontrar parceiros onde pode ser uma parte comum e ainda um sistema que pode dar um impulso no desempenho ou ganho de eficiência que é visível e algo que você pode se comunicar com as pessoas.”

Novas reuniões deverão ser realizadas até o final do ano.

Published
5 meses ago
Tags
, ,
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *