IMSA inicia discussões sobre DPi híbridos

Action Express

Próximos DPi estarão na pista a partir de 2022. (Foto: Divulgação)

A IMSA deu os primeiros passos para a entrada da tecnologia híbrida nos regulamentos da nova classe DPi, a partir de 2022. Em reunião neste final de semana durante a etapa de
Mid-Ohio, fabricantes, dirigente da IMSA e ACO estiveram discutindo o futuro da classe.

De acordo com Simon Hodgson, VP da IMSA, a metodologia que a entidade adotará para os próximos anos, será branda, em relação aos regulamentos empregados na classe LMP1 do WEC.   

“Obviamente, quando o DPi foi concebido, foi concebido com a intenção de ter DPis ao lado de protótipos LMP2”, disse Hodgson ao Sportscar365. “Nós não queríamos nos afastar muito da eficiência da plataforma P2 base e dar muito estilo.”

“Mas, agora que a DPi se tornou uma classe individualmente, há uma oportunidade de ver as coisas de forma um pouco diferente à medida que avançamos para o próximo período de cinco anos de homologação”.

Um dos pontos discutidos foi que o sistema híbrido será montado apenas em um dos eixos do carro, e não nos dois eixos como no WEC. Para o dirigente, os atuais protótipos podem absorver esta alteração, seja na potência e adição de peso. Ainda de acordo com o site Sportscar365.com, o sistema empregado terá 48 volts, mas tanto o sistema de baixa e alta-tensão, estão em discussão. Também está descargada a instalação no eixo dianteiro, criando um sistema de tração na quatro rodas.

Os custos também seria módicos em relação aos utilizados no WEC. A proposta é que cada unidade fica na casa dos U$ 100 mil.

“Neste momento, para nós, a principal prioridade é a embalagem e se podemos ou não obter uma prova de conceito sobre o que estamos fazendo, o que acreditamos que fazemos. Não há bandeiras vermelhas”, disse ele.

O foco do sistema híbrido não estaria ligado a busca por mais potência. “Em todo o trabalho de simulação que fizemos foi para atender o desempenho atual ou adicionar algum desempenho adicional leve”, disse ele. “Mas estamos falando de uma evolução, não de revolução”.

Ele disse que a partir de hoje, eles veem o DPi 2.0 baseado nas regras atuais do chassi.

“Nós entramos totalmente a bordo com o modelo de quatro construtores e tem sido bem-sucedido, certamente em LMP2 e está provado ser bem-sucedido aqui também”, disse ele. “Houve alinhamento entre fabricantes e construtores”.

Por que mudar algo que está funcionando? Ninguém quer começar com uma folha de papel limpa”.

“Nós realmente nos aproximamos disso com isso em mente, tentando crescer o que já temos, não revolucioná-lo.”

Nove fabricantes estavam presentes na reunião da semana passada: Ford, Lexus e dois fabricantes do grupo VW. Pela ACO estava o delegado técnico da instituição, Thierry Bouvet.

Buscando uma unificação entre IMSA e WEC, o presidente da entidade america, Scott Atherton, acredita que a unificação será a saída mais viável para “salvar” o WEC, já que representantes da ACO e FIA, evitam comentar como está o progresso dos novos regulamentos que entrarão em vigor no próximo ano.

“Eu já disse isso antes e vou dizer de novo. Pode ser ingenuamente otimista, mas até que eu esteja convencido de que ainda não há opções, eu diria que sim, há razões para ter esperança ”, disse Atherton ao Sportscar365 quando perguntado sobre uma plataforma global.

“Mas isso não é uma nova declaração minha. Eu vejo a volatilidade de seus regulamentos e a incerteza disso como uma oportunidade”.

“Simon e sua equipe estão engajados em um processo [pelo DPi 2.0] do qual estamos extremamente orgulhosos. Tem sido constante, previsível”.

“Ele apresentou um processo e um protocolo que refletem muito bem como esta organização vem operando há vários anos”.

Embora Hodgson não abordasse diretamente a possibilidade de uma linha de tempo

O sentimento geral [dos fabricantes] é que é um cronograma bem estruturado que deve resultar em uma regulamentação muito apropriada”, disse ele. “Tudo isso foi estabelecido com base em nossa meta, que é introduzir o carro em 2022″, concluiu. 

Published
2 semanas ago
Tags
,
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *