HPD fazendo progressos com seu motor para a classe LMP1

dagyshpd0_thumb-25255B1-25255D

Tradicional fabricante a HPD revelou hoje que se surpreendeu com os progressos do seu motor para o mundial de endurance ano que vem. Em entrevista ao site Sportcar365 Steve Eriksen que os testes em seu motor V6 2.2 litros turbo foram animadores em dinamômetro foram satisfatórios.

“Esta é uma nova abordagem de como executar um motor, fizemos um pouco de trabalho em simuladores antes de montar realmente o propulsor”, explicou Eriksen. “Nós estávamos realmente surpresos ao descobrir resultados semelhantes a uma corrida real, muito além do que era previsto por simulação.”

O motor que ao contrário do V8 3,4 litros que equipa o HPD ARX-03b o novo bloco é derivado do carro da Fórmula Indy que foi introduzido em 2012.

Muito do que aprendemos na IndyCar nos deu o conhecimento básico para fazer as simulações”, disse ele. “Há uma sinergia entre o programa de IndyCar e este programa P1 o que é realmente útil. Aprendemos algumas coisas do funcionamento do motor P1 que nos ajudam no lado da IndyCar, e vice-versa. “

Testes em pista só irão começar quando alguma equipe se interessar pelo motor o que segundo Eriksen existem várias interessadas e em processo de negociação, além dos times interessados em competir com o pacote completo chassi/ motor.

“É um mercado muito pequeno”, disse Eriksen. ” Nossa esperança é que, dada a excelência que já demostramos na pista que pelo menos uma ou duas pessoas seria um passo até a placa seja uma boa propaganda para nossos produtos. “

Existe ainda a possibilidade (caso tenham interessados) de uma equipe começar o WEC do ano que vem com o modelo ARX-03b com o novo motor já que o chassi é compatível. Isso com base nas regras da ACO. Além do motor a HPD espera que alguma equipe se interesse por seu sistema de recuperação de energia ERS que já passou por testes e que poderia estar em operações no meio do ano que vem.

Várias opções de recuperação de energia podem ser obtidas com o novo pacote sendo o mínimo 2 megajoules o o máximo 8 megajoules. Resta alguma equipe se interessar em ser a “cobaia” do sistema.

Para o nosso aprendizado, nós gostaríamos de ter, pelo menos, alguém lá fora que quer executar o sistema de recuperação de energia”, disse Eriksen. “Estamos aprendendo muito com ele, mas não há nada como a concorrência para realmente conseguir isso. Eu acho que tem que ter a pessoa certa para as ambições de uma equipe. O que vemos é que algumas equipes olhando para sistema híbrido e achando complicado e que a grande quantidade de testes são necessários para o sistema ser otimizado. Outras equipes sentem que a partir de um ponto de vista técnico, se você não tem um sistema de recuperação de energia, você não vai ter uma chance.”

Ainda segundo Eriksen nenhum dos HPD vendidos está confirmado no mundial do ano que vem, o mais provável é que estarão presentes pelo menos alguns no USCC nos EUA.

Published
6 anos ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *