Gestão



Uma empresa tem seu conceito organizacional bem parecida com o de uma equipe de F1. Tem os funcionários (Pilotos, mecânicos, engenheiros) e tem o chefe (Chefe de equipe) que por mais que tenha 50, 100 pessoas ao seu lado para tomar decisões, é ele quem bate o martelo e muitas vezes decide uma corrida. Sim nem sempre o piloto depois de uma hora e meia andando em círculos enfrentando calor, adversários, chuva é quem decide se ganha ou não um GP.

É claro que como bom empregado e muitas vezes com todo e qualquer ser humano que tenha um pouco de tutano e conhecimento percebe que as decisões do chefe nem sempre são as melhores. Muitas vezes o chefe não tem o conhecimento necessário ou até tem mais não emprega nas horas certas.

É mais ou menos assim o calvário de Massa e Rubinho nessa atual temporada. Erros em cima de erros, falta de conhecimento. A vitória do GP da Espanha era do piloto da Brawn, ele ganharia com folga se a tática de 3 pits fosse seguida por ele e por Jason… o britânico mudou a estratégia no meio da corrida e venceu. Ponto para ele que teve essa presença de espírito e competência. Faltou algum espírito baixar em Rubens também? Não sei. Acredito que como bom funcionário Rubinho seguiu a risca todas as ordens de sua equipe (muitas delas questionáveis) e em nenhum momento teve a perspicácia ou a ousadia de discutir algo. Se tivesse seguido o que fez Button teria ganho a corrida com folga, pois em todo o final de semana teve um carro mais bem equilibrado. Tinha largado com mais combustível enfim, era a corrida dele. Errou em não pensar além? Acredito que sim.

O drama vivido por Felipe Massa é igual ou pior. A “empresa” que ele trabalha é a melhor do mundo, tem os melhores equipamentos o chefe Luca de Montezemolo entende do riscado, mas seus assessores não.

A algumas colunas venho criticando qual o papel de Michael Schumacher na Ferrari nos últimos tempos. Ele como um consultor tem o mesmo papel do que um coordenador em uma empresa. Ganhou títulos, soube vender sua imagem e é competente nas pistas. O coordenador na vida real, fez faculdade, tem boas notas se forma, mas chega na hora no dia a dia da empresa quando tem que tomar decisões erra, e erra feio. Tanto um quanto o outro não tem experiência e botam as vezes o trabalho de anos por água abaixo.

Ver Felipe tendo que tirar o pé para poupar combustível é o fim, algo inadmissível em um mundo com “sistemas” “planilhas” tanto conhecimento para acabar como acabou. Não era mais fácil por um medidor de combustível no painel do carro? “C” para Cheio e “V” para Vazio? Claro que tudo não é tão simples assim e um carro de Fórmula 1 é cheio dos badulaques tecnológicos mais o esporte é igual as primeiras corridas nos anos 50 aonde o que contava era mais a sensibilidade do piloto do que o ” conhecimento ” de um chefe de equipe.

Fora esses per causos a corrida se desenvolveu de forma tranquila depois do acidente na primeira volta. A superioridade da Brawn é evidente e mesmo com o avanço da RBR ainda não foi desta vez que vimos alguma equipe assustar os britânicos. A equipe que me surpreendeu foi a Renault. Alonso chegando em sétimo pode parecer pouco mais é um progresso em relação as outras corridas. Seu companheiro de equipe fez uma corrida como sempre sem emoção mas pelo menos não bateu nem prejudicou nenhum adversário durante o certame.

A próxima etapa é em Mônaco, pista chata sem emoção mais financeiramente viável para os organizadores. Uma pista que acredito muito em Rubinho pelo seu histórico e por gostar de correr lá e é claro se aquela chuvinha pintar melhora ainda mais.
Published
10 anos ago
Categories
Sem categoria
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *