Equipes LMP2 preocupadas com velocidades dos protótipos

(Foto: Divulgação AdrenalMedia)

Com a adição dos futuros hypercars, as equipe que competem na classe LMP2 estão preocupadas com o desempenho dos seus protótipos frente aos novos modelos. De acordo com o regulamentos, os futuros superesportivos devem fazer um volta em Le Mans na casa de 3:30. Em 2018 Nathanael Berthon marcou a melhor volta na classe LMP2, marcando 3:27.200.

Xavier Combet, diretor da TDS Racing, está preocupado com essas mudanças. Competindo na categoria desde 2011, o dirigente contou em entrevista ao site sportscar365.com, que a falta de definições sobre os hypercars, está preocupando as equipes

“Estou interessado em ver como a ACO administrará a lacuna entre a LMP2 e a Hypercar”, disse Combet. “É um pouco cedo, mas ouvi dizer que o LMP2 vai manter o mesmo nível que nós temos agora, mesmo se pudermos imaginar que não é possível olhar para o que eles dizem por tempo de voltas alvo”.

“Antes da última especificação dos LMP2 nós tínhamos as outras [spec], e eles acabaram aumentando o desempenho”.

“Todos compraram esses carros, o Oreca 07 e o novo Ligier, com velocidade aprimorada, e claro, para ter os melhores tempos de volta”.

“Agora, espero que eles mantenham esse pensamento em mente, porque investimos muito. Eu ficaria não ficaria preocupado, mas desapontado se nós reduzirmos a velocidade novamente”.

“A mudança causaria um efeito cascata, atingindo também as classes GTE. “Se eles reduzirem a velocidade na LMP2 em geral, da WEC, isso significa que eles terão que reduzir a velocidade da LMP2 no ELMS e, em seguida, o que eles farão na LMP3?”

“No GTE também: lembramos que no passado, os GTEs estavam próximos dos LMP2s em velocidade máxima. É por isso que eles tiveram que aumentar a velocidade máxima dos LMP2”.

“Eu posso imaginar que não é realmente fácil de administrar, para ser honesto. Eu não estou dizendo que eles estão fazendo coisas erradas. Mas no meu ponto de vista, espero que o LMP2 mantenha o mesmo desempenho. É muito importante para o espírito das corridas LMP2″.

O tempo de volta da classe LMP2 caiu oito segundos de 2016 a 2017, após os regulamentos que determinaram apenas um fornecedor de motores, o Gibson V8.

“Em Le Mans, podemos ter acesso ao pódio principal”, disse Combet, referindo-se ao segundo e terceiro lugar de Jackie Chan Racing em 2017″.

“É sempre difícil pedir a alguém para se acostumar a ser rápido. OK, temos que reduzir a velocidade. Estamos fazendo uma competição e queremos ficar cada vez mais rápidos”.

“Se eles disserem que temos que reduzir a velocidade, ficarei desapontado com o lado esportivo e o comercial. Nós pagamos para ter alguma melhora, então temos que mantê-la”. Finalizou.

 

Published
1 semana ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *