Equipes avaliam separação da classe de protótipos na IMSA

Jota Sport DC Racing quer alinhar um DPi em 2019. (Foto: Divulgação)

A separação da classe P da IMSA terá novidades para 2019. A entidade americana decidiu separar a briga, alocando protótipos DPi e LMP2 em classes distintas. Era notório a disparidade que para muitos maculava o real de potencial dos DPi.

Por conta da pressão das equipes a IMSA resolveu dividir, dando obviamente a classe DPi o status de principal da série. Após o anúncio equipes como a JDC-Miller Motorsports e a Junco Racing já anunciaram que irão alinhar protótipos Cadillac no próximo ano.

A DragonSpeed que atualmente compete no Mundial de Endurance nas classes LMP1 e LMP2 e no ELMS na P2, almeja participar das 24 Horas de Daytona no próximo ano. Ausente da competição desde 2017 a mudança estrutural da classe, era algo que estava sendo solicitado a muito tempo.

“Estamos pedindo por isso desde o primeiro dia”, disse Elton Julian ao site Sportscar365. “Fomos um dos primeiros a ir até lá com o carro P2, mas aprendemos a lição. Adoro a categoria DPi e adoro a categoria P2, nunca pensei que eles devessem competir uma contra outra.” Julian deve alinhar pelo menos um dos seus dois Oreca 07 em Daytona ou Sebring.

A Jota Sport DC Racing estuda sua participação em Daytona com um DPi, em conjunto com a Wayne Taylor Racing. Para Sam Hignett diretor da equipe a ideia é alinhar pelo menos 1 DPi.

Sobre a divisão de classes Hignett se mostrou contra. “Isso prejudica nossa aspiração com um carro LMP2. Preciso fortalecer nosso relacionamento com as equipes de DPi, porque e a única maneira de corrermos até lá agora é com um carro DPi”, disse ele ao Sportscar365.

“Nós não voltaríamos para lá com um carro LMP2 se não pudéssemos vencer de imediato, mas estamos perto das equipes da IMSA, então voltaríamos para lá como um carro DPi. Provavelmente, para Daytona é algo que estamos avaliando.”

Rebellion não deve alinhar em Daytona ou Sebring. (Foto: JoãoFilipe/AdrenalMedia.com)

A Suíça Rebellion não deve alinhar na IMSA tão cedo, declarou o diretor Bart Hayden. Para o dirigente a IMSA atende estruturas para equipes sediadas nos Estados Unidos. “É complicado”, disse ele à Sportscar365. “Eu posso entender completamente as razões pelas quais a divisão aconteceria. Se você tem um carro LMP2 e está no WEC, e está pensando em ir para a IMSA, isso tornaria isso menos interessante.”

“Se você já está nos EUA, acho que precisa olhar para os DPi, o que vimos algumas equipes fazendo. Como cliente de LMP2, eu estaria menos interessado em participar. Daytona não está no nosso horizonte. ”

 

Published
3 meses ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *