EoT mantem Toyotas lentos para etapa do Bahrain do Mundial de Endurance

Última prova na pista foi em 2017. (Foto: Toyota)

A organização do Mundial de Endurance divulgou neste sábado, 30, o EoT da classe LMP1 e o BoP da classe GTE, para a próxima etapa da competição, que acontece no próximo mês, no Bahrain. 

Com os resultados da etapa de Xangai, os protótipos da Toyota continuaram sendo mais lentos do que os adversários da Rebellion Racing e Ginetta. O TS050 líder do campeonato dos pilotos Sebastien Buemi, Kazuki Nakajima e Brendon Hartley está 2,72 segundos mais lento por volta. O tempo tem como referência o Ginetta #6. O Toyota #7 de Kamui Kobayashi, Mike Conway e José Maria Lopez, ficará 2,51 mais lento por volta. 

EoT classe LMP1

BoP classe GTE

De acordo com as regras do handicap de sucesso, a desvantagem não podem ultrapassar os 40 pontos, o que de acordo com o regulamento, os dois protótipos da Toyota deveriam receber a mesma “punição” por volta. A explicação poderia ser o cálculo de desvantagem ser ter se baseado em diferentes coeficientes de cada carro. 

O coeficiente é um número determinado pelo WEC, que recupera a penalidade de segundos por volta de cada carro, multiplicado pela vantagem de pontos sobre o carro referência e a duração da próxima corrida do calendário. 

Vamos ao exemplo

A Rebellion que venceu em Xangai, terão uma desvantagem de 1,36 segundos por volta para a próxima corrida. Será um tempo teórico de 1,12 segundos mais lento que o próximo carro LMP1 não híbrido mais lento, que é o Ginetta #5. A Rebellion recebeu apenas 1 quilo e lastro em comparação com o Ginetta na China, ela entrará na corrida do Bahrein com um aumento de 39 kg no peso mínimo em relação ao seu adversário, no caso o Ginetta. 

Isso reflete um aumento de 20 kg para o Rebellion de 862 para 882 kg, no entanto, as regras de handicap de sucessos publicados em agosto indicam que LMP1s não híbridos não podem exceder 870 kg. O #5 viu seu peso cair de 861 para 843 kg, enquanto o Ginetta #6, como carro de referência, permanecerá em 833 kg.

Mudanças nas classes GTE

 Na classe GTE-Am, a equipe TF Sport, que compete com o Aston Martin Vantage GTE #90, estará mais pesado. O carro pilotado por Jonny Adam, Charlie Eastwood e Salih Yoluc, correrá com 1292 kg de peso mínimo. 

A Ferrari #83 da equipe AF Corse será dois quilos mais leve do que o Aston Martin, será o carro com a segunda maior desvantagem. As Ferrari das equipes Red River Sport, MR Racing e o segundo carro da AF Corse, serão 20 quilos mais leves. O lastro definido para a classe GTE-Am, foi baseado no acúmulo de penalidades para os carros que terminaram nas melhores colocações nas últimas duas corridas e nos três primeiros colocados na classificação de pontos. Todos os carros da Aston Martin em ambas as classes GTE, terão 1 litro de combustível a menos em seus tanques. 

Published
5 dias ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *