Entrevista com Vincent Beaumesnil–Diretor de esportes da ACO.

J5-2012_JulieSueur_HTTT_test1_023

Uma das maiores polemicas deste ano sem dúvida foi o anuncio da FIA em parceria com a ACO da criação de uma nova classe de carros GT, matando os atuais GT2 e GT3. Várias equipes se mostraram a favor e muitas contra como a Porsche e até a SRO que organiza o BES e o mundial GT1. No meio de tanta discussão está Vincent Beaumensil presidente de esportes a motor da ACO que concedeu uma entrevista ao site endurance info sobre esta possível fusão.

P. Por que criar uma nova classe GT se muitos gostariam de ver os atuais GT3 em Sarthe?
R. Essa abordagem tem um interesse geral. Há muitas normas em campeonatos de GT em vários países. Fabricantes querem mostrar técnica e por isso optam pela classe GTE. A preocupação do GT3 no nosso nível é que não há nenhum regulamento técnico específico com o bônus de desempenho e equivalência. Ele é geralmente reservado para os fabricantes que criaram uma competição para atender clientes. Este é o caso com a Audi, BMW ou Mercedes por exemplo.Claramente, são dois mundos que existem. É verdade que o GT3 são mais baratos e há muitos no mercado. ‘

P. Você tem o apoio de fabricantes para este novo grupo de trabalho?
R. “Nós nos perguntamos o que os construtores queriam, onde o objetivo de reunir todos em torno de uma mesa e dizer:” Onde você quer ir e o que você quer? “Temos de ver se você pode ser capaz de implementar uma classe GT única. A criação deste grupo de trabalho é avaliar os projetos com fabricantes e parceiros. Se conseguirmos algo juntos, não vai ser eficaz até 2015 de qualquer maneira, e talvez até mais tarde. Não há prazo específico. ‘

P. O “velho” GTE vai continuar a competir em Sarthe e nos campeonatos da ACO?
R.’Inevitavelmente haverá um período de transição. Eles continuam a ser aceitos por algum tempo. A transição será a ordem do dia no grupo de trabalho montado em conjunto pela FIA e ACO. Todos devem ter uma mente aberta. Se tomarmos o exemplo da Porsche, a fabricante quer um regulamento técnico para se expressar. Eu tenho um profundo respeito por qualquer coisa feita por Stéphane Ratel, mas, novamente, o objetivo é o interesse geral. Motorsport é caro e carros GTE não são nenhuma exceção. Queremos um quadro para uma plataforma específica técnica que aproxima o custo de um GT3. Se conseguirmos, teremos cumprido o objetivo.”
P. A este respeito como será a classificação de pilotos?
R. “Esta é agora uma questão em que estamos trabalhando ativamente. O sistema funciona muito bem e deve ser gerido por pelo menos 470 pilotos . Será ajustes e não uma revolução. É absolutamente necessário para preservar o Pro-Am, porque isso é o que permite que as equipes vivem. O princípio básico é bom.Haverá um piloto de desempenho puro para redefinir as categorizações. ‘
P. Se outros fabricantes quiserem entrar na classe GTE antes destas definições serão aceitos?
R. “Com certeza. Tudo permanece igual.Sabemos que este não é a melhor época para mudanças que envolvem orçamentos mas temos que tomar estas decisões.

P. A classe LMP2 está crescendo, mas os custos continuarão a ser controlados? ( durante a etapa do WEC em Fuji a ACO aumentou o valor de um protótipo + motor pronto para competir)?
R. “Em três anos, a classemais do que duplicou. Em Fuji, todos os carros chegaram ao final. Estes carros tornaram-se muito confiáveis ao longo dos anos e só podemos festejar. O objetivo é reduzir os custos sem afetar a qualidade. Todo fim de semana de corrida, há 10 carros no mesmo segundo e estamos muito satisfeitos com isso. ‘

P. Nó próximos anos Petit Le Mans vai ser realizada no mesmo dia que uma etapa do WEC. Isto não é uma pena?
R. É tão complicado configurar calendários.A logística é complicada. Existem um monte de parâmetros a se levar em conta. Os fãs vão receber duas corridas do fim de semana mesmo, mas não no mesmo continente. Nós deixamos a porta aberta para as 12 Horas de Sebring. Não há coerência no que foi feito. Vamos ver em 2014”.

P. Sobre o projeto 56 em que novas tecnologias são testadas. Existem novos projetos?
R. Tivemos um grande sucesso com a DeltaWing Nissan e eu sei que o GreenGT está trabalhando duro para se preparar para 2013. Existem outros projetos no futuro. Temos que analisar tudo. O GreenGT com o termo inovação vai percorrer um longo caminho, e é um desafio muito grande.”

P. Poderemos rever o DeltaWing nas próximas 24 horas de Le Mans?
R. “Em que categoria? Ele estava presente no stand 56 este ano, mas, por enquanto, não está presente em qualquer categoria. O carro está em um esquema nos EUA, onde ele pode expressar-se em 2013. O objetivo foi alcançado. Este é um grande projeto e um produto muito bom. ‘

P. A equipe Boutsen Genion Racing conquistou o título da classe LMPC este ano na ELMS. A equipe tem garantido um convite para estar nas 23 horas de Le Mans de 2013 na classe LMP2?
R.Temos de ver se os critérios foram cumpridos. A equipe participou de toda a temporada europeia? A resposta é sim. A equipe conquistou o título? A resposta é sim. Assim, mantemos nossos compromissos, mesmo que isso signifique esperar para ver o programa da equipe para 2013. Este é o mesmo para as equipas de GTE. Imagine privar a equipe IMSA Matmut de uma seleção automática para as 24 Horas de Le Mans em 2013?, enquanto eles competiram durante toda a temporada e foram a Petit Le Mans. Não seria correto. ‘
Published
8 anos ago
Categories
24 Horas Le Mans5 perguntasELMS
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mandem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *