Entrevista com Stéphane Chosse da Adess AG.

Lotus LMP2 Concept 2013 / Kodewa & Daniel Simon

A empresa Adess AG é pouco conhecida no mundo do endurance, porém quando se fala de F1 logo vem em mente que é empresa que desenvolve os carros da equipe HRT. Dos escritórios da empresa em Munique na Alemanha estão saindo os desenhos do Lotus T128 que deve estrear ainda em 2013. Em entrevista ao site endurance.info Stéphane Chosse o homem que desenhou o LMP conta mais detalhes do projeto.

P. Em primeiro lugar como foi o ano da Adess AG?

R. Temos trabalhado este ano com a equipe de F1 HTR No ano passado, nós trabalhamos com o do Peugeot 908 em testes de túnel de vento.Pessoalmente, eu tenho uma forte ligação com a Fórmula 1: Ligier, Sauber, Toyota. Passei oito anos em Colônia no início do projeto do Toyota F1. No Final de 2009, o programa foi interrompido e eu decidi permanecer na Alemanha. O Motorsport está profundamente enraizado no país e eu tentei me orientar aqui em Munique já que fica perto das fábricas da  Audi, BMW, Mercedes ou Porsche. ‘

P. Qual sua relação com a Kodewa? (Equipe parceira da Lotus no desenvolvimento do LMP).

R. “A Kodewa trabalhou para a HRT na Fórmula 1 e é lá que nossa relação começou. Eles ordenaram um protótipo. O projeto começou há um ano e meio com quatro pessoas: um ex-Pescarolo, duas outras pessoas e eu.  O estudo começou antes da chegada dos integrantes da Kodewa porque era algo que queríamos fazer. Mostramos a eles o projeto e eles gostaram. Eles, então,mandaram tocarmos o projeto. A Adess AG se fortaleceu com vários ex funcionários da Peugeot. ‘.

P. O projeto está sendo tratada com calma ou a toque de caixa?

R. "Nós queríamos criar o efeito de surpresa. As pessoas começaram a contatar-nos quando não havia a foto tirada no túnel de vento da Mercedes F1. Ficamos em silêncio para trabalhar com confiança. ‘

P.Qual a implicação da Lotus no programa?

R. "Kodewa tem uma licença para usar o nome Lotus entre 2013-2014 para LMP2 e LMP1. Eles podem usar o nome. Não há envolvimento da Lotus. O projeto é da Kodewa para a concepção e construção do carro. Eles são os principais. A expectativa é de vender pelo menos cinco LMP2 sabendo que a Kodewa já tem dois. Temos bons contatos com outras equipes. ‘

P. Os primeiros desenhos remetem aos carros da Audi e Toyota. Foi um desejo de tirar o melhor de ambos?

R. "Mesmo sabendo que o automóvel vai custar o mesmo que um LMP2 que estão atualmente no mercado. Ele será fácil de conduzir tanto para pilotos profissionais como amadores. Estudamos a regulamentação da LMP2. Quanto à Toyota, eu sei os seus pontos fortes. O nariz do Audi é baixo o suficiente para evitar a entrada de ar. Trabalho em CFD  o que nos deu instruções. De qualquer forma, os LMP2 são calibrados um pouco como o GT3. Nós não focamos em performance pura. Foi idealizada a considerar os critérios de estabilidade do carro, especialmente na estabilidade aerodinâmica em campo, curvas como a Porsche em Le Mans. Tudo foi levado em conta. Queremos um carro fácil para cavalheiros. A base do carro atual ainda é bastante antiga. Queremos mostrar que o carro está funcionando bem para os clientes”.

P. O regulamento de 2014 está a contento?

R. O carro incorpora os critérios de visibilidade do Regulamento LMP1 2014. Novamente, isso é muito positivo para os cavalheiros. No entanto, não vamos aprovar o carro para os novos regulamentos para o momento, embora o monocoque seja compatível com 2014.

P. O estudo para o LMP1 começa quando?

R. "Tudo começou no início de novembro. Existem algumas alterações ao nível do monocoque e vamos usar nossa experiência de LMP2 para ele.Nós temos a vantagem de ter um carro fechado. LMP1 é também a iniciativa Kodewa  de disponibilizar ele para equipes de clientes. Após o fechamento da Lola, existem mais clientes para os LMP2 já que os protótipos atuais têm problemas com a visibilidade”.

Adess1

P. Um LMP1 híbrido?

R. "Estudamos todas as possibilidades. Para 2014, o peso do híbrido vai 850-870 kg, contra 830 de um modelo “normal”. Há uma relação de 40 kg, por isso vai ter que valer a pena ou não. Estamos conversando com vários fabricantes de motor pode nos ajudar. Usaremos tanto um V8 quanto V10. Já um V6 turbo permite um motor de um volume menor. Nós fazemos a simulação. A primeira sessão terá início em janeiro no túnel de vento. O Regulamento de 2014 apresenta algumas diferenças. LMP1 terá 1,90 m em vez de 2 metros. A frente mais parecida com um carro de Fórmula 1 com um spoiler real, que irá abordar tanto a frente e a traseira. A carga aerodinâmica pode ser adaptada para os circuitos. Para nós, não falta trabalho para os próximos 15 meses.’

P. A primeira corrida do LMP2 será quando?

R. Ele foi originalmente planejado para ir a pista na terceira semana de dezembro, mas eu acho que vai ser a terceira ou quarta semana de janeiro. James Rossiter será a força motriz do desenvolvimento. Várias equipes do Campeonato Mundial de Endurance e Le Mans Series europeu têm demonstrado interesse. O nome do carro Lotus T128 é bom, mas poderia funcionar com um nome diferente de acordo com os desejos de uma equipe. Será então suficiente para alterar a aparência, especialmente no sistema óptico.Em relação ao motor, o motor de Lotus (Judd) será usado pela Kodewa e será perfeitamente possível colocar um Nissan. Há também contatos com a Honda. Judd e Nissan aspirados tem um comprimento quase igual. O motor Honda é um bi-turbo, demanda um pouco mais de trabalho. O motor Judd é bom, embora tenha um pouco menos de potencia do que a Nissan”.

P. É um desejo da empresa continuar no endurance?

R. Em paralelo com o projeto de F1, começamos este programa. Tenho 16 Fórmula 1 desenvolvidos e para mim  o protótipo é o que está mais próximo do que está acontecendo na Fórmula 1. Nós temos outros planos para o futuro no automobilismo. O que nos interessa são projetos de longo prazo. Nós também somos capazes de conduzir um GT3 se um fabricante estiver interessada”.. ‘

Published
7 anos ago
Categories
24 Horas Le Mans5 perguntasLotus
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *