Entrevista com Stephan Gervais da Rebellion Racing.

Rebellion_4

A equipe Rebellion para muitas é considerada a “teimosa” da LMP1 juntamente com a Strakka Racing que vão tentar este ano ganhar no geral dos gigantes Audi e Toyota. Em entrevista ao site endurance.info Stephan Gervais conta mais detalhes do que espera da temporada 2013 bem como as mudanças nos carros para “tentar” vencer no geral!!.

P. Stephan. O que você acha das adaptações recentes na classe LMP1 para deixar tudo mais equilibrado?

R. "Eu acho que que apenas vai nos permitir ficarmos longe dos fabricantes, não mais. Infelizmente, isso também é acompanhado pelo aumento dos custos, uma vez temos que investir mais para tentar chegar neles. Mas também mostra um desejo de nos ajudar um pouco em termos de desempenho. Dito isto, o assunto talvez não seja apenas sobre o desempenho. É também uma questão ambiental, e podemos ver hoje com três carros LMP1 privado em Le Mans e dois do Campeonato Mundial, temos um problema real com o modelo econômico. Hoje, uma equipe privada é cada vez mais difícil encontrar os fundos necessários para participar.

P. Não seria mais fácil para a equipe procurar um fabricante?

R. "Eu não sei. Mas seria transformar a nossa equipe em uma equipe de aluguel. Porque eu não acho que iriamos vendê-la. Além disso, seria preciso contar com os recursos humanos destes fabricantes para operar sistemas híbridos e outros que não temos controle sobre. Eu sinceramente não sei o que é a melhor solução. Em última análise, eu acho que a LMP1 efetivamente vai preservar os fabricantes com orçamentos muito grandes. O ideal seria ter dois ou três outros construtores a se juntar aos três que estarão presentes no próximo ano … ‘

P. Depois de 2013 existe a possibilidade da equipe se manter na LMP1?

R. "Temos planos, desejos. Mas a realidade econômica é que em 2014 haverá uma grande mudança em termos de orçamento e precisamos trabalhar duro para encontrar parceiros financeiros ou de um fabricante parceiro para implementar um plano que seja sustentável. Porque não podemos correr apenas para 2014.Devemos fazer isso por vários anos. ‘

P. Competir na LMP2 é uma possibilidade para a equipe?

R. “Posso dizer que é um “sim” muito hesitante. Mas não em médio prazo e também não está em nossos planos.

P. Mas se o futuro não foi de união com um um fabricante, seria uma solução alternativa “alugar” um chassi LMP1 para 2014?

R. “(risos) 2014 é um grande projeto, mas no momento eu não posso dizer mais”.

P. A dificuldade atual de um P1 privado “vencer” está ligado apenas a crise financeira ou a diferença para os modelos de fábrica?

R. Eu acho que o problema é principalmente financeiro para os privados agora. Em comparação com o início de 2012, a equipe Pescarolo desapareceu, JRM  cancelou sua participação em Le Mans, a OAK Racing  se voltou para a LMP2, tudo isso se torna difícil . Nossa lógica é que só podemos confiar em nós mesmos. Precisamos atrair parceiros e é por esta razão que estamos presentes na ALMS.Isso nos permite alocar nossos investimentos e ampliar os patrocinadores. ‘ 

P. É mais fácil motivar um patrocinador nos EUA ou no WEC?

R. É mais fácil vender um projeto para parceiros quando você é capaz de atingir a vitória global, seja em uma corrida ou em um campeonato, ao invés de ter que explicar que você está lutando pela vitória da classe e que, apesar de todos os esforços humanos e financeiros que representa não pode obter cobertura da grade mídia. No ano passado, todos reconheceram que tínhamos um problema de visibilidade e mídia o que deve mudar este ano no WEC, o que é uma coisa boa. Mas os meios de comunicação estão interessados ​​principalmente nos fabricantes, Toyota e Audi, e é muito difícil existir por trás. Visto até mesmo na F1. O fundo do grid dificilmente aparece”.

P. O troféu da FIA para equipes privadas na LMP1 que a Rebellion ganhou no ano passado ajudou a trazer novos parceiros?

R. Isso nos deu credibilidade adicional. Ganhamos o Le Mans Series em 2011, fomos o melhor time do ILMC no mesmo ano, terminando em terceiro, atrás da equipe Audi e Peugeot. Infelizmente, não podemos pretender ser campeões do mundo. A vitória em Petit Le Mans também nos fez muito bem. Por não ter o mesmo impacto a nível global, que nos deu uma enorme cobertura da mídia. E isso nos permitiu montar o programa de 2013, precisamente por causa desta exposição na mídia muito maior do que tínhamos até agora. ‘

P. Os parceiros da ALMS serão os mesmos do WEC?

P. “Haverá sócios comuns,mas também específicos da ALMS.

P. Serão 2 carros em Sebring?

R. "Sim, mas nós vamos trazer os três. Que estarão competindo nas ALMS. Os outros serão ficarão na Europa tanto para Silverstone, Spa e Le Mans. ‘

P. A decisão de se comprometer com um Lola no WEC é devido a ALMS? Ou problemas financeiros?

R. Não, isso é simplesmente devido ao fato de que era mais rentável investir o orçamento que temos em um programa na ALMS.Além disso, os nossos recursos humanos e técnicos não são extensíveis e embora a lógica queria se envolver em dois carros no WEC para obter economias maiores, não é o caminho que escolhemos. ‘

P. A Lola foi adquirida pela Multimatic. Eles ainda são um parceiro que você pode confiar?

R. "Em termos de produção de peças, não há qualquer problema, existe uma verdadeira continuidade do serviço. Nós trabalhamos com eles e outras partes interessadas para desenvolver o carro. Como o objetivo não é usar o carro de 2012, sem mudança, caso contrário, corremos o risco de um pequeno déficit no desempenho. Vamos desenvolver este carro durante o inverno, e nós continuamos a fazer por alguns meses. ‘

P. Então o que veremos no novo carro?

R. “(risos) Você vai ver quando apresentarmos o novo carro!”.

P. Um carro híbrido este ano?

R. “O desenho do carro permite. Vamos ver se isso é necessário, mas até agora ele não aparece em nossa prioridades”.

P. Você tem se preocupado com os HPD já que este ano vão estar com pneus mais largos?

R. "Vamos ver como lidam com esta nova situação. Todas as equipes que no passados usaram ​​para pneus largos tiveram um pequeno choque. Você deve saber se adaptar … ‘

Published
7 anos ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *