Competir em Le Mans. O novo objetivo de Jeff Gordon

Jeff Gordon entre os irmãos Taylor e Wayne, dono da equipe. (Foto: Wayne Taylor Racing)

Jeff Gordon entre os irmãos Taylor e Wayne, dono da equipe. (Foto: Wayne Taylor Racing)

Com quatro títulos na NASCAR, Jeff Gordon está ansioso em voltar a competir nas 24 horas de Daytona, abertura da IMSA, que ocorre no próximo final de semana.

Jeff vai dividir o Cadillac #10 da Wayne Taylor Racing com Max Angelelli e os irmãos Ricky e Jordan Taylor. “Isso remonta a 2007, quando Wayne Taylor e eu nos reunimos e competimos em Daytona naquele ano“, disse em entrevista ao site motorsports.com. “Depois da corrida – foi uma experiência divertida. Eu não tenho uma grande experiência na chuva. Eu tive que sair do carro cedo e nós terminamos em terceiro lugar.”

“Eu sempre senti que havia algo inacabado lá, mas é preciso um grande compromisso para fazê-lo direito, e eu queria fazer direito. Então, eu pensei em voltar, mas isso não iria acontecer enquanto eu estivesse na NASCAR.”

Após sua aposentadoria da NASCAR em 2014, Taylor voltou a entrar em contato com Jeff, e ofertou uma nova chance para correr em Daytona. “Wayne e eu ficamos em contato e mantivemos uma amizade e ele sabia que eu gostaria de fazer isso de novo algum dia, então, quando eu anunciei que estava saindo da NASCAR, não demorou muito para que eu recebesse uma chamada dele dizendo: “Ei, você gostaria de voltar e fazer isso?”

Gordon compete pela segunda vez em Daytona. Foto: Wayne Taylor Racing)

Gordon compete pela segunda vez em Daytona. Foto: Wayne Taylor Racing)

“A parte realmente legal é que a Cadillac e a Dallara estavam construindo este novo protótipo e a série estava mudando seus regulamentos, e isso me deixou extremamente excitado. Eu sempre quis correr em um carro como este, mas eu também sabia que eu precisava ter tempo suficiente com o carro. Testei entre os meses novembro e dezembro e janeiro.”

Daytona 2017, também marca a o primeiro protótipo da Cadillac, desde 2002. Desde 2014, a GM detém os três títulos da série. Também marca a participação de Gordon ao lado dos irmãos Taylor. Em 2016 a equipe terminou em terceiro.

Ricky Taylor descreveu a adição de Gordon como “um sonho verdadeiro para todos nós.”

“É uma honra ter Jeff Gordon na equipe”, acrescentou Taylor. “Tenho certeza que ele será uma grande adição à formação, e espero que todos possamos ter a nossa primeira vitória nas 24 horas.”

Vivendo e aprendendo

Gordon tem nove vitórias em pistas mistas na NASCAR. Para se adaptar ao novo carro, o piloto testou nos circuitos de Sonoma e Watkins Glen em dezembro (13-14) e Janeiro (6-7) respectivamente.

A diferença entre carros da NASCAR, e protótipos, foi comparada com o teste que o piloto realizou em 2003 com um F1 da Williams no circuito de Indianápolis. Na época Juan Pablo Montoya, era piloto da equipe inglesa.

Cadillac, retorna ao endurance. Fabricante estava ausente desde 2002. (Foto: Wayne Taylor Racing)

Cadillac, retorna ao endurance. Fabricante estava ausente desde 2002. (Foto: Wayne Taylor Racing)

“Eu dirigi um carro de Fórmula 1 em 2003, e eu sempre disse que foi a experiência mais incrível de condução pura, por causa do que um carro era capaz de fazer – mais do que eu acho que meu corpo era capaz de fazer, “Gordon disse. “Esta é a coisa mais próxima que veio para mim, em termos de quão agressivo você pode frear o carro, quão rápido ele pára, o quanto downforce tem através das curvas. Tem sido uma experiência muito, muito divertido.”

“No início foi um pouco complicado, porque o volante tem um monte de botões, há muita tecnologia envolvida, e eu tive que aprender a estar preparado para a corrida e afinar o carro durante as voltas. Essa foi uma grande curva de aprendizado para mim. “

E Le Mans?

Se as coisas correrem bem em Daytona, Gordon consideraria as 24 Horas de Le Mans o próximo passo. “Eu continuo dizendo que o Le Mans está em aberto”, disse Gordon. “Vamos ver como isso vai. Acho que seria uma corrida muito legal para se fazer, mas ao mesmo tempo é diferente de Daytona. Daytona, você pode correr na pista de dezembro a janeiro. Você pode testar. Ouvi dizer que Le Mans não é assim, por isso pode ser algo que nunca acontece.”

“Se eu for bem em Daytona, isso definitivamente abre algumas portas, porque vamos ser honestos, dirigi em ovais praticamente toda a minha vida, até que você tenha algum sucesso ou mostrar do que você é capaz de fazer neste tipo de carro, as pessoas realmente não levá-la a sério. “

Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *