Audi faz dobradinha em Interlagos.

2013-6-Heures-de-Sao-Paulo-20130901SaoPaulo-8441_hd_thumb-25255B2-25255D

A foto ai em cima mostra um pouco do que foram as 6 horas de São Paulo e mais uma vez comprova que no automobilismo ainda existem pilotos que correm para vencer, independente das suas dificuldades. O acidente do Toyota #8 com Stéphane Sarrazin, ainda na primeira hora da prova, quando encontrou a Lotus #32 mostrou a garra do piloto que era a esperança de que o time da Audi tivesse algum adversário na prova. O novo pacote aerodinâmico da equipe Japonesa teria surtido efeito, mesmo que a vitória não tivesse vindo, mas dificultando mais as coisas para a Audi.

Mas não foram, e mesmo fazendo uma largada melhor o Audi #2 do trio Kristensen, Duval e McNish não conseguiu segurar o ritmo do Audi #1 de Fassler, Tréluyer e Lotterer que estavam “brabinhos” pelo resultado de Le Mans, vencer em Interlagos era questão e honra. Venceram de forma tranquila até, e foram ajudados muito pelas 2 punições que o #2 teve em duas voltas seguidas. A primeira por conta de andar mais rápido nos boxes, e a outra que proporcionou um uma cena inusitada, já que o carro foi liberado com a roda traseira mal fixada e durante a saída dos boxes a roda soltou e saltou para cima do carro. Além de perder uma volta inteira com três rodas, recebeu a segunda punição por ter saído de forma insegura dos boxes. Esse não era o dia dos campeões de Le Mans e muito provavelmente estava agradecendo que esse azar se deu no Brasil e não em Sarthe.

Audi #1 com vitória fácil

Audi #1 com vitória fácil

Por conta do acidente do Toyota o que se viu foi uma bandeira amarela que fez os torcedores pensarem que estavam assistindo uma prova da Fórmula Indy ou da NASCAR. O carro de segurança passou praticamente 1 hora na pista para a manutenção da barreira de pneus e a retirada de 2 carros. Faltou planejamento, visto que o reparo era algo simples. Parecia que não tinha guincho perto da área, ou se não tivesse que fossem postos estes veículos nas áreas com maior incidência de acidentes. A prova teve, de fato, 5 horas de duração. Acredito que a organização, acostumada as categorias com regras não tão rigorosas, deveria ter sido melhor instruída neste sentido. Mesmo em uma prova longa aonde o público (no Brasil) não está acostumado esta paralização lenta acabou esfriando e muito a atenção do público.

Ainda na P1 o terceiro lugar ficou com o #12 da equipe Rebellion do trio Nicolas Prost, Nick Heidfeld e Mathias Beche que correu praticamente sozinho, já que o HPD da equipe Strakka Racing abandonou o campeonato, poupando recursos para a temporada 2014. A própria Rebellion vai fazer o restante da temporada com apenas 1 carro já que desenvolve um novo LMP1 em parceria com a Oreca.

G-Drive vence na LMP2

G-Drive vence na LMP2

Na classe LMP2 tivemos um belo duelo entre as equipes OAK Racing e G-Drive Racing. O consumo ligeiramente maior por conta dos carros de OAK Racing, obrigando a mais paradas, culminou com a vitória do #26 dos pilotos Roman Rusinov, Mike Conway e John Martin. Em segundo o #35 da OAK Racing com Bertrand Baguette, Ricardo Gonzales e Martin Plowman. Fechando o pódio da LMP2 o #49 da Pecom Racing dos pilotos Luiz Perez Companc, Nicolas Minassian e Pierre Kaffer.

Já na classe GTE-PRO aconteceu de tudo. Carros com três rodas, carro pegando fogo e muita decepção para quem esperava uma vitória do brasileiro Bruno Senna. Ainda nas primeiras voltas, a primeira baixa foi com o Porsche #92 que teve o pneu dianteiro furado, mas que se recuperou rapidamente. A disputa durante toda a prova foi entre os carros da AF Corse e Aston Martin e o ajuste de desempenho imposto para os modelos britânicos e alemães não surtiu aquele efeito todo que se esperava, mas foi benéfico para a Ferrari que venceu com o #51 pilotado por Gianmaria Bruni e Giancarlo Fisichella que seguraram a pressão do #97 da equipe Aston Martin da dupla Darren Turner e Stefan Mucke. Em terceiro o Porsche #91 de Jorg Bergmeister e Patrick Pilet.

Ferrari teve uma bela disputa com a Aston Martin

Ferrari teve uma bela disputa com a Aston Martin

Bruno Senna que vinha na quarta posição acabou se envolvendo em um acidente e teve a suspensão traseira do seu carro quebrada, impossibilitando o #99 de um bom resultado, visto que era favorito a vitória. Outro carro que teve problemas foi a Ferrari #71 da dupla KAmui Kobayashi e Toni Vilander que pegou fogo e mostrou um Vilander exímio saltador, tendo em vista o medo de ser atingido por uma explosão.

Entre os GTs da classe AM a vitória ficou com o #96, da equipe Aston Martin da dupla Stuart Hall e Jamie Campbell, em segundo a Ferrari #81, da equipe Enzo Potolicchio, Rui Aguas e Davide Rigon. Fechando o pódio o Porsche #88 da equipe Proton Competition de Christian Ried, Gianluca Roda e Paolo Ruberti. O Brasileiro Fernando Rees, da equipe Larbre, enfrentou problemas em todo o final de semana com troca de motor e fez apenas uma prova para cumprir tabela. Terminou em 6º.

Equipe 8 Star vence entre os amadores.

Equipe 8 Star vence entre os amadores.

Se comparada a primeira edição da prova em 2012, as 6 horas de São Paulo tiveram um crescimento considerável, mesmo com as arquibancada bem vazias se comparada a outras categorias. A transmissão da prova na íntegra por parte do SPORTV também melhorou e muito, os comentaristas não são especialistas em endurance, mas não desapontaram e, principalmente, não foram repetitivos em uma prova de 6 horas, o que é algo raro. Talvez o único senão seja as comparações demasiadas com a F1. Está certo que para o grande público endurance ainda é algo novo e é uma modalidade bem mais complexa, com muito mais detalhes do que a F1, mas não vai adiantar nada querer promover o campeonato sendo algo secundário em relação a F1. Os dois tem suas características sim, mas tem filosofias destinas. Em nada vai mudar o filho de Alain Prost correr na mesma pista que o sobrinho de Senna. Eles iriam disputar alguma coisa? Nem da mesma categoria eram. Se querem fazer algo diferenciado, que invistam na história da categoria que é muito mais rica do que qualquer outro campeonato, sem comparações baratas e sempre puxando a sardinha para pilotos brasileiros. A próxima etapa será no Circuito das Américas nos EUA, no dia 21 de Setembro. Até lá.

Classificação WEC Interlagos 2013

Written by Fernando Rhenius
Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí - Univali. Mandem o site Bongasat.com.br desde 2009 de forma independente. Acredita que a informação, precisa ser divulgada de forma rápida, para que o leitor possa criar seu ponto de vista, e fugir de ostracismos e "especialistas" que povoam a imprensa automobilística no pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *