A modernização da IMSA para 2017

Protótipo Cadillac Riley com as cores da Wayne Taylor Racing. (Foto: IMSA)

Protótipo Cadillac Dallara com as cores da Wayne Taylor Racing. (Foto: IMSA)

Os torcedores saudosistas pela American Le Mans Series podem voltar a sorrir. A IMSA, passa por sua principal mudança desde que foi comprada pela NASCAR em 2013. Se nos últimos três anos, a luta desigual entre os antiquados Daytona Prototypes, frente aos modernos LMP2, se tornou injusta para as equipes que investiram nos protótipos homologados pela ACO. Para o próximo ano, uma nova geração de protótipos chegou para dar fim aos “barcos”, tão adorados pelos americanos.

Com os novos regulamentos da classe P, uma geração totalmente nova e moderna de modelos estará no grid na abertura do certame em Daytona. Com dois dias de testes oficiais que começaram nesta terça (13), este foi o primeiro contato que as equipes tiveram com seus adversários.

Action Express também vai com Cadillac Riley. (Foto: Divulgação Action Express Racing)

Action Express também vai com Cadillac Dallara. (Foto: Divulgação Action Express Racing)

As principais mudanças estão na classe P. Todas as equipes que antes corriam com Corvette DP, migraram para protótipos Dallara com carenagem inspirada nos modelos Cadillac. A exceção fica por conta da equipe Visit Florida Racing que vai competir com um Riley Multimatic, com motor Gibson.

Tanto a Action Express Racing, quanto a Wayne Taylor Racig, que protagonizaram as melhores brigas neste ano, estarão com o mesmo equipamento, o Cadillac Dallara DPi. Seu plantel de pilotos também não muda. No #5 teremos João Barbosa, Christian Fittipaldi e Filipe Albuquerque. Para o segundo carro da equipe o #31, Dane Cameron, Eric Curram, Seb Morris e Mike Conway.

Mazda DPi, o mais bonito do grid. (Foto: Divulgação IMSA)

Mazda DPi, o mais bonito do grid. (Foto: Divulgação IMSA)

Outra equipe que vai competir de forma oficial, é a Mazda. Com um chassi Riley, os protótipos japoneses despontam como os mais bonitos do certame. Assim como nos últimos anos, serão dois carros para os pilotos Tristan Nunez, Jonathan Bomarito, Spencer Pigot, Joel Miller e tom Long.

A Extreme Speed Motorsports volta ao cenário americano com o novo Ligier JS P217 com apoio oficial da Nissan. Competindo com a carenagem padrão da OnRoak, o time terá Pipo Derani e Bruno Senna entre seus pilotos.

Visit Florida Racing, corre com modelo original da Riley. (Foto: Brian Cleary/bcpix.com)

Visit Florida Racing, corre com modelo original da Riley. (Foto: Brian Cleary/bcpix.com)

Os GTLM irão ter um novo velho adversário. A Porsche estreia em Daytona a nova versão do 911 RSR. Se neste ano, o mítico modelo não fez frente aos adversários tanto na IMSA, quanto no WEC, a aposta dos alemães é um modelo com motor central e componentes mais leves do que seu antecessor. Será a primeira aparição pública de Laurens Vanthoor com as cores da Porsche.

Na GTD, muitas novidades. Daytona marca a estreia do Acura Acura NSX GT3. O modelo que competiu este ano no PWC, entra no IMSA com as cores da Michael Shank Racing que trocou os protótipos por um programa na série GT3 com forte apoio da Honda. O brasileiro Oswaldo Negri, está confirmado como um dos pilotos.

O Lexus RCF GT3, estreia na classe GTD. (Foto: Divulgação)

O Lexus RCF GT3, estreia na classe GTD. (Foto: Divulgação)

2017 também vê a chega do Mercedes AMG GT3 para as equipes Riley Motorsports e SunEnergy1 Racing. Outro estreante é o Lexus RCF GT3. A CORE Autosports, braço técnico da Porsche em seu programa GTLM, terá um 911 GT3-R na classe para os pilotos Colin Braun e Jon Bennett.

Com tantas novidades, uma diversificação maior de carros, e principalmente modernidade, a IMSA pode se for bem administrada roubar equipes do WEC, principalmente para as provas longas. Rebellion Racing e Proton Competition já esboçaram interesse de competir nos EUA.

Michael Shank Racing, troca os protótipos pelo novo Acura NSX GT3. (Foto: Divulgação)

Michael Shank Racing, troca os protótipos pelo novo Acura NSX GT3. (Foto: Divulgação)

A escassez de protótipos LMP1 privados, e a participação de equipes oficiais com chassis LMP2, pode ser um tiro no pé da ACO para o próximo ano. Parece que os bons tempos da ALMS estão voltando.  

Mercedes GT3 AMG com as cores da Riley Motorsports. (Foto:  Brian Cleary/bcpix.com)

Mercedes GT3 AMG com as cores da Riley Motorsports. (Foto: Brian Cleary/bcpix.com)

Published
2 anos ago
Comments
No Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *