24 horas de Daytona 1976, quando a água quase estragou a festa

A prova teve 20 horas de duração e não 24. (Foto: BMW)

A prova teve 20 horas de duração e não 24. (Foto: BMW)

Se cada vez mais o automobilismo tenta encontrar meios sustentáveis de viver, com sistemas híbridos, pneus com mais durabilidade e componentes mais duráveis, as coisas não foram fáceis em alguns anos principalmente com a crise do petróleo que assolou os EUA nos anos 70.

O ano foi 1976. Se para a população encontrar um posto com gasolina era algo difícil, o mesmo não podia se dizer da IMSA que conseguiu juntar 72 carros para a tradicional 24 horas de Daytona. Mesmo dento combustível para os carros, o mesmo teve de ser diluído com água para “render” e assim ter condições dos carros acabarem a corrida.

Porém isso teve um preço. Carros podem andar com um certa quantidade de combustível misturado com água, mas com uma mistura com grande quantidade de água as coisas não poderiam acabar bem. 

Assim as 24 horas de Daytona tiveram uma redução de 3h54m no tempo total da corrida com medo que nenhum carro chegasse ao fim da prova. Assim a prova terminou em exatas 20 horas e 6 minutos com a vitória do BMW 3.0 CSL #59 pilotado por Peter Gregg, Brian Redman e John Fitzpatrick.

Mesmo com as dificuldades normais de uma prova de longa duração, mais o combustível adulterado o #59 imprimiu um ritmo forte a ponto de vencer com uma vantagem de 14 voltas sob o segundo colocado, o Porsche 911 Carreta RSR #14 de Al Holbert e Claude Ballot Lena.

Victory-at-daytona-1976

Os vencedores. Peter Gregg, Brian Redman e John Fitzpatrick.

“Acho que de muitas maneiras eu tenho um sentimento público em relação ao Peter Gregg, o meu co-piloto”, disse Redman com uma risada enquanto recorda a prova de 76. “Porque a primeira coisa nas manchetes jornal da manhã de sábado foram: ‘Gregg ganha pole. Bem, foi o carro que ele estava dirigindo comigo, mas me foi eu que conseguiu a pole … “

Redman foi um dos primeiros a encontrar problemas relacionados ao combustível, e logo foi forçado a realizar reparos no BMW. Embebido em combustível, coberto de óleo e sujeira, os esforços incansáveis ​​do inglês provaram ser inestimáveis.

“Sim, você pode imaginar o problema que havia, eu fui um dos primeiros pilotos a enfrentar o problema de combustível”, disse ele. “Eu fui nos boxes, reabasteci, e ao sair do pit lane o motor parou. Os mecânicos me levaram de volta para o pit, fizeram funcionar e voltei a pista. Saindo dos boxes ele parou de novo. Voltei apé aos boxes, peguei uma caixa de ferramentas e consegui limpar o sistema de injeção de combustível.”

“Nessa mesma volta, o carro parou de novo, desta vez foi a bateria. Fui até o muro e perguntei se alguém tinha baterias, fusíveis e cabos  para me emprestar. Fiz os mesmos procedimentos de antes, limpar o sistema de injeção.”

“Descobrimos que os fios de ligação em ponte estavam cortados. Tentei arrumar mas não consegui. Voltei aos boxes. Neste momento a IMSA cancelou a prova. Eles se basearam em 30 minutos antes dos problemas começarem para validar as posições. Naquela volta eu estava na liderança. Foi uma corrida muito interessante.”

Além dos problemas com o carro, Redman teve que aguentar um outro desafio. Com um dos pilotos doentes ele teve que guiar o BMW por quase toda a prova. “No início da corrida, à noite, Peter disse que ele estava doente e não podia pilotar”, Redman continuou. “Então, eu continuei fazendo sessão após sessão, e, eventualmente, John Fitzpatrick assumiu o volante.”

A ajuda de Fitzpatrick seria inestimável. Apesar da ausência de Gregg, a dupla Redman e Fitzpatrick teve um bom rendimento. Redman, sempre conhecido por sua personalidade forte e todos acharam estranho a escolha, Fitzpatrick para ajudar na condução do carro.

“É claro que, no pódio, Peter absolutamente impecável em seu uniforme branco e eu, cansado, de pé em um lado olhando como seu avô”, disse Redman. “E John Fitzpatrick estava tão bravo com Pedro para ir no pódio em tudo o que ele se recusou a ir ao pódio!”

A gasolina "batizada" foi o grande personagem da prova.

A gasolina “batizada” foi o grande personagem da prova.

Esta foi a primeira vitória da BMW na prova. Após a seção de fotos Redman foi para o hotel. “Eu voltei para o hotel e entrei no banho, um bom banho quente … então adormeci até 3 horas da manhã!. No dia  seguinte, Jochen Neerpasch, o gerente da equipe, disse-me: ‘Brian, você perdeu o jantar de vitória. De uma maneira descontente. Eu disse,’ Eu sei, eu sinto muito, eu adormeci no banho. “Ele disse, ‘Não importa: Peter Gregg fez um discurso fantástico no qual ele agradeceu a todos os mecânicos alemães pessoalmente pelo nome em alemão.”

Entre outras boas lembranças para Redman, o grupo eclético de motoristas da BMW trouxe experiencia para a prova de 1976. “Era um grupo muito divertido”, acrescentou. “Benny Parsons estava pilotando com David Hobbs em um carro. Tom Walkinshaw e John Fitzpatrick estavam em outro. Muito pelo lineup interessante, se eu me dizê-lo.”

Outro destaque lembrando por Redman, foi que em 1976 foi apenas a segunda participação da BMW, o que resultou em um grande retorno em vendas para a montadora em todo o mundo. “A BMW Motorsport foi criada em 1975 e a primeira corrida foi o Daytona, e ambos os carros quebraram”, disse ele. “Eu estava dirigindo com Ronnie Peterson, enquanto Hans Stuck e Sam Posey e não duramos muito.”

“Voltando no ano seguinte para vencer foi fantástico. É claro toda a razão para fazer isso é para vender mais BMWs aos clientes – nesse período de dois ou três anos após o sucesso as vendas quadruplicaram! “

Mesmo com a enorme quantidade de drama que passou, Redman diz que a velocidade do CSL era incrível. “O carro funcionou muito bem,” acrescentou. “Cerca de 5 horas da manhã, ela perdeu uma válvula e por isso corremos com 5 cilindros, mas se você dirigi-lo com uma faixa de rotação segura na casa dos 9000 RPM, fomos mais rápidos do que o Porsche 911 que ficou em segundo. Não iriamos perder aquela prova por nada.”

*Com informações do site Racer.com

Published
2 anos ago
Categories
24 Horas de Daytona
Comments
Comments
Written by Fernando Rhenius
Apaixonado pelo automobilismo, seja ele real ou virtual. Me envolvi com o Endurance há muito tempo e desde 2009 tento, levar um pouco de informação e conhecimento sobre uma das principais categorias do automobilismo.